sábado, 22 de outubro de 2011

De 3 em 3 dias

Já nem os fins-de-semana são de preguiça. Lá me levantei cedo para correr para o hospital. Esperar o próximo passo.

No fim, perguntei ao médico quais eram as possibilidades de sucesso, já que estamos a trabalhar com bases probabilísticas. Disse que ainda não sabe. que não pode dizer nada. volto na segunda. Volto na quarta.Isso já é certo.

há uma semana que vivo neste corre-corre e já o N. ou o R. da farmácia contam histórias de alguém que conhecem a quem o milagre aconteceu. Conheci-os na semana passada, quando tive de pedir o medicamento que me denuncia o problema. A senhora da secretaria do hospital sente-se contagiada pelo sorriso, e confidencia-me que conhece muitos casos de sucesso. A enfermeira que me picou duas vezes - da primeira, a coisa correu mal - também tinha a sua história para contar. Estes são os casos de sucessos. Os casos de insucesso conheço-os em cada sala de espera. Da boca daqueles que não estão ali na primeira volta da corrida.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)