Avançar para o conteúdo principal

Estado de hibernação

Um sol radiante, as crianças lá fora a pedir bolinho e eu nem posso tirar o pé da cama.

(estou em modo depressivo. ainda faltam tantos dias para sair deste estado de quase inactividade.)

sou mesmo anormal.

Comentários

  1. Então ainda se pede o bolinho? Ufa... Já estava a maldizer a globalização :)

    ResponderEliminar
  2. Aproveita os dias de descanso... Se amanhã tivesses de ir trabalhar, estarias na caminha regalada, pensando que um feriado a meio da semana é um bem sagrado :P
    Mas como estás de baixa forçada, tudo parece bem diferente. Sei bem o que sentes ;)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Sarita,

    É uma seca estar aqui sem fazer nada e a vida lá fora a acontecer. E estar parada não me faz nada bem à mente. Ponho-me a magicar coisas que não devo.

    Além disso, a probabilidade de sucesso de 30% deixa-me um pouco descrente.

    Não me apetece ler, nem ver Tv. Crochet não sei fazer... e nem para escrever tenho inspiração.

    Se tivesse de ir trabalhar, amanhã custava-me; como não tenho de ir, parece que até ia de boa vontade se me deixassem...

    Aceitam-se sugestões produtivas para passar o tempo. Estou a dar em doida... E aindea só passaram dois dias. Faltam 10 dias. E das vezes que tenho esperança, tamb+em tenho medo...

    Beijoca e obrigada pelo apoio

    ResponderEliminar
  4. Alice, quando fui eu aconteceu-me exatamente o mesmo.
    Nos primeiros dias fiquei com a cabeça cheia de ideias, de teorias, de esperança, de medo, de tudo...
    Não me apetecia ler e muito menos ver tv. Depois comecei a ver uma série sobre uma clínica de infertilidade e acabei por me entreter umas horas por dia, mas mesmo assim não era suficiente.
    Aos poucos fui-me desligando do que estava a acontecer na barriga e a ansiedade esmoreceu um pouco. Os últimos dias, isso sim foram um sacrilégio :(
    Conclusão: não tenho sugestões... Tenta fazer algo que gostes e sonha muito com essa sementinha que faz bem à alma :)

    Quanto à baixa probabilidade (os tais 30%), pensa apenas que é uma taxa superior àquela que qualquer casal sem problemas de fertilidade tem!!! No nosso caso, ainda são bem mais altas! Nada de desanimar :)

    ResponderEliminar
  5. Querida Alice, estás sossegadinha, por uma boa causa! Vê as séries todas em atraso e coloca a leitura em dia.
    Muita força e um beijinho. :)

    ResponderEliminar
  6. Sarita,

    Eu acompanhei essa tua fase, sei bem que também não foi fácil.

    Obrigada pelas tuas palavras. Ler coisas sobre infertilidade deixam-me mais apreensiva, por isso tenho evitado.

    É óbvio que o facto de não yer sintomas é bom ou mau. Não me doi nada, não sinto picadas. Na verdade a pós-punção foi bem incómoda e dolorosa. Sinto me lindamente, mas isto não é sinónimo de nada. Há mesmo que esperar.

    Beijinho e obrigada

    ResponderEliminar
  7. Turista,

    Agradeço a tua força. Nem sabes o bem que me faz. Lá vou vendo os filmes, mas os livros ainda não me entusiasmaram como noutros tempos.
    A espera não ajuda.
    Há que respirar fundo e esperar.

    Beijinho e obrigada

    ResponderEliminar
  8. Não és anormal, és humana. E por muito que custe as horas passar, os dias, tens de pensar que o motivo vale tudo isso e que essa sementinha vai-se agarrar a ti com toda a força.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)