Avançar para o conteúdo principal

Estado de hibernação

Um sol radiante, as crianças lá fora a pedir bolinho e eu nem posso tirar o pé da cama.

(estou em modo depressivo. ainda faltam tantos dias para sair deste estado de quase inactividade.)

sou mesmo anormal.

Comentários

  1. Então ainda se pede o bolinho? Ufa... Já estava a maldizer a globalização :)

    ResponderEliminar
  2. Aproveita os dias de descanso... Se amanhã tivesses de ir trabalhar, estarias na caminha regalada, pensando que um feriado a meio da semana é um bem sagrado :P
    Mas como estás de baixa forçada, tudo parece bem diferente. Sei bem o que sentes ;)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Sarita,

    É uma seca estar aqui sem fazer nada e a vida lá fora a acontecer. E estar parada não me faz nada bem à mente. Ponho-me a magicar coisas que não devo.

    Além disso, a probabilidade de sucesso de 30% deixa-me um pouco descrente.

    Não me apetece ler, nem ver Tv. Crochet não sei fazer... e nem para escrever tenho inspiração.

    Se tivesse de ir trabalhar, amanhã custava-me; como não tenho de ir, parece que até ia de boa vontade se me deixassem...

    Aceitam-se sugestões produtivas para passar o tempo. Estou a dar em doida... E aindea só passaram dois dias. Faltam 10 dias. E das vezes que tenho esperança, tamb+em tenho medo...

    Beijoca e obrigada pelo apoio

    ResponderEliminar
  4. Alice, quando fui eu aconteceu-me exatamente o mesmo.
    Nos primeiros dias fiquei com a cabeça cheia de ideias, de teorias, de esperança, de medo, de tudo...
    Não me apetecia ler e muito menos ver tv. Depois comecei a ver uma série sobre uma clínica de infertilidade e acabei por me entreter umas horas por dia, mas mesmo assim não era suficiente.
    Aos poucos fui-me desligando do que estava a acontecer na barriga e a ansiedade esmoreceu um pouco. Os últimos dias, isso sim foram um sacrilégio :(
    Conclusão: não tenho sugestões... Tenta fazer algo que gostes e sonha muito com essa sementinha que faz bem à alma :)

    Quanto à baixa probabilidade (os tais 30%), pensa apenas que é uma taxa superior àquela que qualquer casal sem problemas de fertilidade tem!!! No nosso caso, ainda são bem mais altas! Nada de desanimar :)

    ResponderEliminar
  5. Querida Alice, estás sossegadinha, por uma boa causa! Vê as séries todas em atraso e coloca a leitura em dia.
    Muita força e um beijinho. :)

    ResponderEliminar
  6. Sarita,

    Eu acompanhei essa tua fase, sei bem que também não foi fácil.

    Obrigada pelas tuas palavras. Ler coisas sobre infertilidade deixam-me mais apreensiva, por isso tenho evitado.

    É óbvio que o facto de não yer sintomas é bom ou mau. Não me doi nada, não sinto picadas. Na verdade a pós-punção foi bem incómoda e dolorosa. Sinto me lindamente, mas isto não é sinónimo de nada. Há mesmo que esperar.

    Beijinho e obrigada

    ResponderEliminar
  7. Turista,

    Agradeço a tua força. Nem sabes o bem que me faz. Lá vou vendo os filmes, mas os livros ainda não me entusiasmaram como noutros tempos.
    A espera não ajuda.
    Há que respirar fundo e esperar.

    Beijinho e obrigada

    ResponderEliminar
  8. Não és anormal, és humana. E por muito que custe as horas passar, os dias, tens de pensar que o motivo vale tudo isso e que essa sementinha vai-se agarrar a ti com toda a força.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]