Avançar para o conteúdo principal

Na lista de desejos

O facto de estar em prisão domiciliária -baixa médica -impede-me de ir aos sítios que mais gosto. Tenho saudades do mar. E de livrarias. São os lugares onde consigo acalmar os meus pensamento. Gosto de cheiro a mar. Gosto do cheiro a páginas por folhear. Gosto de tactear capas e sentir~lhes as irregularidades.Gosto de ler e me apaixonar.

Enquanto esta situação se mantém, limito-me a ler os livros que cá moram. De vez em quando, obra do acaso ou de alguma pesquisa que faça, dou de caras com um livro que gostaria muito de ler.
Hoje descobri este que, pela temática, foi logo amor à primeira vista. A juntar a isso, já li outros livros da autora, levando-me a querer mais.
Se não perder a coragem depois do resultado da próxima sexta, hei-de lê-lo.


Sinopse:
Zoe Baxter passou dez anos a tentar engravidar e, quando parece que este sonho está prestes a realizar-se, a tragédia destrói o seu mundo. Como consequência da perda e do divórcio, Zoe mergulha na carreira como terapeuta musical.
Ao trabalhar com Vanessa, o relacionamento profissional entre as duas transforma-se numa amizade e depois, para surpresa de Zoe, em amor. Quando Zoe começa a pensar de novo em formar família, lembra-se de que ainda há embriões dela e de Max congelados que nunca foram usados.

Comentários

  1. Estive com este livro na mão hoje ao almoço!
    :)
    Parece-me bom, sim senhora :)

    1 beijinho

    ResponderEliminar
  2. 2linhas,

    Ainda não estive com ele nas mãos mas não me importava nada.

    Quando sair do teste na sexta, há duas coisas que prometi a mim mesma que iria fazer de seguida. Uma é ceder ao impulso e comprar este livro.
    É daqueles amores à primeira vista. Quero lê-lo antes de começar a ler por aí críticas que me alterem as expectativas

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Olá Dina,

    estou bem; só estou de baixa médica, porque o médico não me deixa fazer viagens grandes. Sexta-feira já volto ao hospital para saber o resultado da sementinha. E depois, acho que posso deixar a prisão independentemente do resultado.

    Obrigada por perguntares,

    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Apesar de não ser o meu tipo de leitura, o tema é muito interessante! Fiquei com vontade de ler.
    Afinal, o grande dia é já amanhã... Estou confiante que vais ter boas notícias!!!! Como te sentes?
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olá,Sarita

    Já tive dias melhores... Obrigada por perguntares.

    Enviei-te mail agora mesmo.


    Beijoca

    ResponderEliminar
  6. Não consigo comentar no teu post de hoje.

    Eu sei que tens de ter os pés na terra, que tens de te mentalizar para o pior, mas também tens de ter esperança, tens de te lembrar da pessoa que tens ao teu lado e que luta contigo. E tens-nos aqui, que mal ou bem, seja virtual ou real, damos-te um abraço apertado de conforto. E esse abraço é sentido.

    Força. Esperança. O caminho faz-se caminhado.

    um beijinho e aguardo noticias assim que sintas que as deves dar.

    ResponderEliminar
  7. 2linhas,

    os posts que dizes foram propositadamente feitos assim, para não terem comentários.

    Obrigada pelo apoio. Muito obrigada.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Desculpa... que parva fui eu agora. É o que faz responder sem ir ver primeiro.

    Compreendo a tua forma de tratar a dor, escondendo-a para que a dor de quem amas sare mais depressa, mas não te esqueças de ti, deixa que também tratem da tua dor, deixa-nos comentar-te. Deixar o nosso apoio. Não é fácil, perdeste uma batalha, mas não a guerra...

    Muita força para ti e um abraço apertado.

    ResponderEliminar
  9. 2linhas,

    Não foste nada parva. Entendo o teu entusiasmo. Sei que viveste um bocadinho este meu último mês. A vida é assim, com perdas e ganhos. Esta luta, perdemos. Hoje perdemos.E eu ganhei mais um calo na alma.

    Beijinhos e obrigada mais uma vez. O teu apoio tem sido tanto, que sou incapaz de não responder ao que me pedes. abrirei a caixa de comentários]

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …