Avançar para o conteúdo principal

o cuidado que tenho

Não sei se, por naturalidade ou por aprendizagem a partir das nossas mães, temos a inclinação para cuidar dos nossos maridos. Possivelmente eles não precisarão, mas nós vamos sempre achar que sim. Como se fossem crianças grandes. Eu, pelo menos, nunca vou conseguir contrariar estes cuidados que vi a minha mãe tantas vezes repetir com o meu pai. Mas, ao contrário da minha mãe, que estabelecia esse ritual quase como uma submissão, eu sempre estabeleci isso como um acto de amor.
Até há pouco tempo atrás, o pequeno-almoço era a refeição com mais ênfase. Tinha de ser tomada em conjunto, já que não sabia o que o dia reservaria. Sempre fui pessoa para me ocupar das tarefas de casa, mas sempre que foi necessário, os papéis inverteram-se, Nunca nenhum dos dois viu problemas nisso, e sinceramente toda a gente tem de saber fazer um pouco de tudo.
Agora, esta limitação de não poder sair de casa, impede-me  de exercer outra tarefa que costuma ser mais minha que dele: as compras cá para casa.
Ontem, muito a contragosto, lá fiz a lista de compras. Com nomes das coisas de marca e as que não eram, a cor das embalagens, as notas para ter em atenção a relação qualidade/preço, as latas e a validade.  A lista tinha mais de recomendações do que  produtos. Sim, lá tratei o marido como se tratasse de um moço de recados, que se esquece das recomendações. Lá volta aquele velho hábito de os tratarmos assim.

Sim, espantei-me quando chegou a casa. na verdade, seguiu todas as recomendações à risca e não se esqueceu de nada. Bem, houve uma coisa. O chocolate não tinha avelãs inteiras. Também ninguém é perfeito.

Às vezes, assumo que sou demasiado proteccionista relativamente aos que mais amo. Isso não os impede de ter asas, mas impede-os de voar.

Comentários

  1. Querida Alice, também eu trato o maridão, como se fosse uma criança grande! E é tal como tu dizes por amor, porque sei que ele não gosta de certos afazeres ou não o sabe mesmo o que fazer.
    E ele gosta, tal como o teu. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …