Avançar para o conteúdo principal

não vale a pena correr

não sei quanto tempo ainda tenho para viver, nem me vou pôr a adivinhar. Da vida que já vivi, passei dois terços dela numa correria contra o tempo. O tempo existia cronometrado para tudo. Para fazer a escola primária, para acabar o secundário, para sair da faculdade. Nunca corri para o casamento, que fiz esperar durante nove anos, por achar que esse tinha tempo para acontecer.Um dia aconteceu mesmo, talvez porque tenha chegado a hora, porque esse era o seu tempo. Corri pelos outros, contra o tempo curto de uma vida prestes a findar. Aproveitei o tempo para as obrigações que achava (acho) que tenho. Começava cedo e terminava tarde no trabalho que dava luta e prazer. Perdi amigos, porque afinal não o eram. Afastei alguns pelo tempo que não tinha. Encontrei desculpas com as prioridades. Escondi-me quando a tristeza cá morava, porque a independência era algo que o tempo parecia ter trazido.

Nestes últimos dias, tenho-me questionado do que valeram a pena estes passos ao lado de um tictac de relógio. Sobeja pouco o que me faça feliz. Digamos que me apetece, independentemente do tempo que tenha, parar, enquanto outros comboios da vida possam seguir a alta velocidade. Preciso de parar, apesar do frenesim que vive dentro de mim, da adrenalina que me borbulha nos poros.

Acho que a culpa não é do tempo, sempre foi minha... julgava que assim, um dia seria mais feliz. A felicidade não corre como o tempo, constrói-se devagarinho, com fundações sólidas. Percebi tarde, agora que o tempo já me fez correr tanto, atrás de nada. Porque a minha vida está cheia de obrigações e tão poucos direitos.

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)