Avançar para o conteúdo principal

não vale a pena correr

não sei quanto tempo ainda tenho para viver, nem me vou pôr a adivinhar. Da vida que já vivi, passei dois terços dela numa correria contra o tempo. O tempo existia cronometrado para tudo. Para fazer a escola primária, para acabar o secundário, para sair da faculdade. Nunca corri para o casamento, que fiz esperar durante nove anos, por achar que esse tinha tempo para acontecer.Um dia aconteceu mesmo, talvez porque tenha chegado a hora, porque esse era o seu tempo. Corri pelos outros, contra o tempo curto de uma vida prestes a findar. Aproveitei o tempo para as obrigações que achava (acho) que tenho. Começava cedo e terminava tarde no trabalho que dava luta e prazer. Perdi amigos, porque afinal não o eram. Afastei alguns pelo tempo que não tinha. Encontrei desculpas com as prioridades. Escondi-me quando a tristeza cá morava, porque a independência era algo que o tempo parecia ter trazido.

Nestes últimos dias, tenho-me questionado do que valeram a pena estes passos ao lado de um tictac de relógio. Sobeja pouco o que me faça feliz. Digamos que me apetece, independentemente do tempo que tenha, parar, enquanto outros comboios da vida possam seguir a alta velocidade. Preciso de parar, apesar do frenesim que vive dentro de mim, da adrenalina que me borbulha nos poros.

Acho que a culpa não é do tempo, sempre foi minha... julgava que assim, um dia seria mais feliz. A felicidade não corre como o tempo, constrói-se devagarinho, com fundações sólidas. Percebi tarde, agora que o tempo já me fez correr tanto, atrás de nada. Porque a minha vida está cheia de obrigações e tão poucos direitos.

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]