Avançar para o conteúdo principal

está decidido

Sou uma pessoa emocionalmente agarrada às coisas. Nada tem a ver com ser "unhas de fome". Quase tudo o que guardo tem uma história para contar ou me traz boas recordações. Sou pegada aos bens materiais pelo significado emocional que contêm. Claro que há também aquelas coisas que guardo porque julgo que um dia me farão falta. E há uma quantidade diminuta de coisas que guardo, não porque goste delas mas porque tenho receio de magoar quem mas ofereceu, quando se apercebesse que me tinha livrado delas

Passei a última semana do ano (e de férias de 2011) a tentar livrar-me das minhas tralhas não emocionais. Isso incluiu resmas de papel de assuntos antigos ligados à empresa, mas ao meu antigo cargo. Há algum tempo que decidi que tenho muito mais para dar do que estar sentada a uma secretária, a fazer algo que não me dá prazer. E comecei a conseguir livrar-me das ligações emocionais ao emprego. Aquelas que me têm impedido de decidir o que realmente quero fazer da vida.

Se até há pouco tempo fazia com que a mudança de emprego dependesse da concepção de um filho, facto que não aconteceu, hoje reconheço que comecei o caminho de passar para um plano B.  Não se pode esperar a vida toda pelo momento certo.


Comentários

  1. O momento certo é aqui e agora. Fazer depender de algo aquilo que queremos fazer é dar desculpas a nós mesmos para não agir.

    Força Alice. Passinho a passinho vais conseguindo alcançar aquilo que desejas para ti.

    E eu espero estar aqui para ver :)

    ResponderEliminar
  2. AQUI ESTÃO GRANDES DECISÕES...

    força:)

    ResponderEliminar
  3. S.o.l

    Têm de ser passos bem dados. Cada vez estou mais certa daquilo quew quero; demoro-me no processo de mudança, mas é isso que me permite não me arrepender.

    Nestes primeiros dias do ano, já dei pequenos passinhos que já estão a surtir efeito. Como uma coisa tão pequena pode fazer toda a diferença.

    Beijinho

    PS- espero que a mudança possa dar-se no primeiro semestre deste ano; por isso, espero que estejas mesmo por aqui para ler.

    ResponderEliminar
  4. Susaninha,

    Esta é só uma grande decisão. A primeira de muitas.

    Obrigada pela força

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]