Avançar para o conteúdo principal

Segunda Oportunidade

Comecei a namorar com o meu marido a um dia vinte e quatro de Janeiro de há muitos anos atrás. Sempre tive o número vinte e quatro como uma espécie de amuleto. Se jogasse no Euromilhões, este seria, sem dúvida,  um dos números marcados no boletim.
No ano passado, quando fui chamada para a primeira consulta de fertilidade, a confiança ficou reforçada por ser a um dia vinte e quatro, e curiosamente, do mês de Janeiro, dia de aniversário do meu primeiro beijo. Quando se quer ter um filho, e o processo se desenvolve numa data marcante, temos fé que aquilo é uma intervenção divina. Aquela espécie de compensação daquilo que o Universo nos tira. Como já falei aqui , são as coincidências a fazerem-nos ter/reforçar a fé. Absurdo, dirão alguns. Quando se quer muito ter, agarramo-nos a tudo. Queremos acreditar que é desta.
No ano passado, o meu amuleto não me trouxe sorte. Não me trouxe o que venho esperando há algum tempo que aconteça.  

Todo este bla-bla-bla, para dizer a minha segunda oportunidade acabou de chegar sob a forma de carta. Parece que vai acontecer já no próximo dia vinte e quatro. Não sei se são coincidências. Resta saber se devo continuar a achar que o dia vinte e quatro será de sorte e não de mais uma tentativa falhada.

Estou entre o eufórica  e o apreensiva. Foi relativamente rápida a segunda chamada. Apreensiva porque sei que alguém acha doloroso voltar pelo mesmo processo, ter muita esperança, ver sofrer-me a mim.
Possivelmente, não devo voltar a falar no assunto nos próximos tempos, quer seja ou não para seguir em frente. Eu, que não sou supersticiosa, desta vez vou ter cautela. Como diz o povo : Cautela e  Caldos de Galinha, nunca fizeram mal a ninguém.

[precisava extravazar uma certa alegria (e apreensão) que cá mora dentro; nada melhor que a escrita]

Comentários

  1. Desejo que não seja uma coincidência mas sim um sinal para manter a fé e a esperança de ver o teu sonho ganhar vida.
    Bjinhos e tou a torcer...

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Raiozinho,

    Seja o que tiver de ser.

    Obrigada pela força.

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. :))

    Nós temos mesmo de nos agarrar a alguma coisa. Algo que nos faça avançar.

    Dia 24 pode não ser considerado um dia de sorte, mas é já definitivamente um dia em que marcas passos na tua vida. São dias que te/vos marcam enquanto casal. Dias em que ambos avançam :)

    Vês que a felicidade (ainda que com alguma apreensão)também se escreve :))

    Estou aqui a sorrir por ti :)
    Calma, serenidade e alguma confiança nesse dia, e mesmo que não digas nada, ficarei a torcer por ti.

    P.s. Estou a ler um livro com o teu "nome" - Ainda alice é o nome do livro :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. S.o.l,

    Se te disser que não consigo escrever a felicidade que sinto com a notícia talvez não acredites. Há o fervilhar cá dentro que não sei se é quente se é frio, e mais uns quantos estados de alma que sou incapaz de descrever.

    Obrigada pelo teu sorriso grande. E se não contar nada sobre isto, neste mês que se avizinha, é só para tentar controlar a ansiedade e dominar os meus estados de espírito mais contraditórios.

    Não me levem a mal. Estou a tentar aliviar a pressão.
    Obrigada pelo teu apoio desde o primeiro momento que contei esta minha aventura.

    PS. fiquei curiosa com esse livro que lês!

    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Acredita que compreendo bem o porquê do silêncio e não levo mesmo nada a mal.

    Raramente conseguimos que as palavras descrevam na perfeição o que sentimos.

    O livro, Ainda Alice, é um romance sobre uma "longa caminhada da doença de Alzheimer". Dito assim pode parecer muito pouco interessante, mas não é, é um perder de memórias de uma vida, de um amor, lentamente...

    Diz na contra-capa a protagonista " não quero esquecer, amor, o amor que tivemos" ... faz-me pensar este livro.


    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  6. Eu sei que pode ser difícil, mas tenta manter-te o mais serena possível. Vou estar a torcer muito por vós, do fundo do coração!

    ResponderEliminar
  7. S.o.l,

    O meu avô teve a doença de Alzheimer e faleceu quando eu tinha nove anos. è uma doença que me é bem familiar, porque durante três anos convivi com ela. O que se passa na infância, marca-nos muito!

    Talvez seja um dos livros a ler, de uma lista que estou a fazer para 2012. Fiquei muito curiosa.

    Deve ser parecido ao Diário da Nossa Paixão que já li há uitos naos, oferta do namorado/marido num aniversário.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Dina,

    Obrigada.

    Sei, de coração, que os teus votos são muito sinceros.

    Serenidade e confiança vão ser as palavras.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Alice, fico tão feliz de saber que vos será dada nova oportunidade em breve que não consigo sequer me expressar convenientemente!!!

    A fase de tratamento pode até ser muito stressante (que é), mas é cá um conjunto de sentimentos que fervilham cá dentro que a esperança num futuro tão desejado é enorme!

    Mesmo que estejas em silêncio, saberás que estou daqui deste lado a torcer por ti, por vocês e por um fim diferente do anterior ;)

    Um beijinho carregado de esperança e serenidade :*

    ResponderEliminar
  10. Sara,

    Sei com muita certeza que sabes o que sinto. Fui surpreendida com o telefonema do marido dando conta da carta. Não esperava que me voltassem a chamar já. Sabes como são os processos no público. Para me chamarem já devem ter voltado a avaliar o processo; parece que costuma tudo voltar à estaca zero.

    E como a minha cara metade está, depois de uma série de argumentos apresentados, disposto a tentar mais uma vez, vamos embarcar novamente no rol das injecções, ecografias e o mais que esteja para vir.

    Obrigada pela força que me deixas. Vamos fazer tudo para que o fim seja diferente; seja um grande fim!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Alice, através do desafio fotográfico vim cá ter... não sei se sabes que conheço bem o que estás a passar. o único conselho que te posso dar é positivismo! não te deixes levar pelas incertezas e agarra-te ao que te der força e certeza de que "é desta". espero que sim, que seja.
    qualquer coisa em que possa ajudar, estou disponível para ajudar... e desejo-te, do fundo do coração, muita sorte!

    (quanto mais histórias conheço mais certezas tenho que acontecerá quando tiver de ser... há quem demore 20 anos - conheces a história da Susana Pina- e há quem, como eu, acerte no Euromilhões na primeira aposta...)

    não desistas. força!

    ResponderEliminar
  12. art.soul,

    As tuas palavras deram-me muita força. Nem sequer te consigo descrever o quão valiosas elas foram para mim.

    Obrigada. E não, não vou desistir!

    E em Fevereiro é dar ao dedo na máquina fotográfica.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]