Avançar para o conteúdo principal

# 2.10 Childhood (atrasadíssima)



A minha primeira conta foi aberta numa das ruas mais conhecidas de Lisboa, eu teria cerca de quatro anos. Como presente, o banco oferecia este mealheiro feito em cerâmica de uma fábrica que já não existe. A conta foi aberta pela minha madrinha. Veio numa caixinha com fitas finas de madeira. O meu irmão tem outro igual.  A história é idêntica.
 Durante muitos anos amealhei todo o dinheiro que me davam na Páscoa, no Natal e no meu aniversário. Até aos 18 anos, o meu pai guardava as chaves (abertura é na parte de baixo, com uma chave pequenina) num local que conhecíamos mas onde nunca íamos. Era aberto uma vez por ano, o dinheiro contado à nossa frente e depositado no banco. Quando casei, todo o dinheiro que guardei neste mealheiro deu para comprar todos os electrodomésticos da casa. Não podia deixar de o trazer comigo. Se um dia tiver um filho, gostaria que ele o estimasse como eu o estimei. Julgo que possa ser uma peça de colecção. Foi feita na Fábrica de Loiça de Sacavém.

Esta foi uma peça que marcou a minha infância. Será que há por aí alguém com um mealheiro igual?

Comentários

  1. Eu também tinha um igualzinho, mas já não me lembro o que aconteceu... Não sei se se partiu ou ficou perdido nas mudanças de casa. Adorava-o!

    ResponderEliminar
  2. Sofia,

    Afinal há mais quem tenha. è tão mimoso o mealheiro. Sei que mais tarde criaram réplicas mas as cores não eram as mesmas.
    Aposto que ainda gostarias mais dele agora. procura o teu. Talvez encontres.

    Obrigada por partilhares que também tiveste (tens) um.


    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  3. Faz-me lembrar a primeira casa onde vivi... também queria um...
    Muito útil nos dias que correm!!!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Isilda,

    esta peça é uma das que guardo com imensa estima. O banco que oferia esta relíquia já não existe, portanto, suponho que já não ofereçam nada idêntico ao meu mealheiro.

    Ainda hoje guardo moedinhas de 2€ nele. Sim, dá muito jeito.

    bjs

    ResponderEliminar
  5. Que belíssima estória conta esse mealheiro :)
    Eu adoro mealheiros e desde a minha infância sempre tive muitos, mas nenhum pelo qual nutra especial apego.
    Um beijinho
    PS - Espero que o filhote o estime tanto quanto a mamã ;)

    ResponderEliminar
  6. Sarita,

    Sou pegada a coisas que têm história para contar. O mealheiro é uma delas. lembram-me pessoas e momentos que gosto muito.

    Talvez um dia possa passá-lo a um filhote. Gostava que assim fosse.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]