Avançar para o conteúdo principal

# 2.10 Childhood (atrasadíssima)



A minha primeira conta foi aberta numa das ruas mais conhecidas de Lisboa, eu teria cerca de quatro anos. Como presente, o banco oferecia este mealheiro feito em cerâmica de uma fábrica que já não existe. A conta foi aberta pela minha madrinha. Veio numa caixinha com fitas finas de madeira. O meu irmão tem outro igual.  A história é idêntica.
 Durante muitos anos amealhei todo o dinheiro que me davam na Páscoa, no Natal e no meu aniversário. Até aos 18 anos, o meu pai guardava as chaves (abertura é na parte de baixo, com uma chave pequenina) num local que conhecíamos mas onde nunca íamos. Era aberto uma vez por ano, o dinheiro contado à nossa frente e depositado no banco. Quando casei, todo o dinheiro que guardei neste mealheiro deu para comprar todos os electrodomésticos da casa. Não podia deixar de o trazer comigo. Se um dia tiver um filho, gostaria que ele o estimasse como eu o estimei. Julgo que possa ser uma peça de colecção. Foi feita na Fábrica de Loiça de Sacavém.

Esta foi uma peça que marcou a minha infância. Será que há por aí alguém com um mealheiro igual?

Comentários

  1. Eu também tinha um igualzinho, mas já não me lembro o que aconteceu... Não sei se se partiu ou ficou perdido nas mudanças de casa. Adorava-o!

    ResponderEliminar
  2. Sofia,

    Afinal há mais quem tenha. è tão mimoso o mealheiro. Sei que mais tarde criaram réplicas mas as cores não eram as mesmas.
    Aposto que ainda gostarias mais dele agora. procura o teu. Talvez encontres.

    Obrigada por partilhares que também tiveste (tens) um.


    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  3. Faz-me lembrar a primeira casa onde vivi... também queria um...
    Muito útil nos dias que correm!!!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Isilda,

    esta peça é uma das que guardo com imensa estima. O banco que oferia esta relíquia já não existe, portanto, suponho que já não ofereçam nada idêntico ao meu mealheiro.

    Ainda hoje guardo moedinhas de 2€ nele. Sim, dá muito jeito.

    bjs

    ResponderEliminar
  5. Que belíssima estória conta esse mealheiro :)
    Eu adoro mealheiros e desde a minha infância sempre tive muitos, mas nenhum pelo qual nutra especial apego.
    Um beijinho
    PS - Espero que o filhote o estime tanto quanto a mamã ;)

    ResponderEliminar
  6. Sarita,

    Sou pegada a coisas que têm história para contar. O mealheiro é uma delas. lembram-me pessoas e momentos que gosto muito.

    Talvez um dia possa passá-lo a um filhote. Gostava que assim fosse.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)