Avançar para o conteúdo principal

#2.19 - Sweet

[mas não muito]



[para o fotodesafio da art.soul]
 
Esta é a festividade (se é que assim se pode chamar) que mais detesto. Nem sequer fui espectadora de nenhum corso carnavalesco. Há muitos anos que assim é.
Por isso, hoje foi uma tarde de  domingo onde não faltou sol e mar, longe de máscaras, foliões e serpentinas. Este bolo doce ou regueifa, como lhes chamam em alguns locais, foi um doce que comprámos para acompanhar com chá e lareira deste fim de tarde.
Estes bolos fazem-me recordar a infância. Quando era miúda, estes bolos feitos de farinha, açúcar e limão eram oferecidos quando os noivos ou os seus pais iam convidar para o casamento. Cada casa recebia tantos bolos quanto o número de elementos do agregado familiar. Se fossem padrinhos dos noivos tinham direito a uns bolos maiores, embora feitos da mesma massa.Aqui chamamos-lhes bolos de festa por estarem associados aos casamentos, considerados uma festa.

Comentários

  1. Desconhecia :)
    Mas gosto de Regueifa com Chá ... sendo que hoje o meu pecado foi bem mais doce :P
    Jinhos

    ResponderEliminar
  2. Ângela,

    Vaicom chá, com chocolate, com leite. é leve e bom. nada enjoativa.

    Também babei com esse teu pecado.


    Boa semana

    ResponderEliminar
  3. Alexandre,

    Sim, é bom. Assim ou torrado. e acompanha qualquer bebida.

    Também é bom para diabéticos já que leva pouco açúcar.

    Boa semana

    ResponderEliminar
  4. Aqui para os meus lados é mesmo conhecida por regueifa e as melhores que se encontram são as das vendedoras ambulantes que andam no mercado municipal ou que montam barraca à entrada da praia no verão. Uma delícia... simples, com doce, manteiga, queijo, fiambre, o que for. E mesmo que sobreviva uns dois dias, fazer umas torradas de regueifa, com manteiga a derreter... nhamiiiiii!!

    ResponderEliminar
  5. Desconhecia essa tradição. Mas deve ser uma delícia! :)

    Um beijinho e boa semana.

    ResponderEliminar
  6. Raiozinho,

    Regueifa foi um nome que vim a conhecer quando fui viver para aAveiro.

    Até há um dia em que as vendedoras saem à rua para vender estes bolos junto ao Edificio da Capitania e ao Forum. Não sei se ainda é assim.

    E pronto, depois deste apontamento, o resto já tu disseste.

    beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  7. Sofia,

    É óptima e versátil para um lanchinho. Hoje ainda trouxe comigo um pedaço e enviei outro igual para o lanche do marido.

    possivelmente também pode haver onde moras.

    Boa semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]