Avançar para o conteúdo principal

e agora?

O meu amor está de volta depois do grande susto que tivémos com o meu sogro. Foram os abraços longos e apertados como se já não nos víssemos há largos meses. Afinal, foram cinco dias que mais pareceram cinco anos.

Nós andamos preocupados com o futuro, já que não consentimos que o meu sogro volte a ficar sozinho. Ele, ainda nos cuidados intensivos, fala em voltar para casa, que está bom, acha que o cateterismo o torna imune a um novo enfarte. Ainda tem o descaramento de dizer que já se safou desta, e que a seguir vai cavar o quintal e comprar galinhas. Faz o meu marido sair do sério. Sabemos que ele é homem de muita fé, mas ele que não  se estique muito já que não sei se da próxima vez haverá Pai Nosso ou Avé-Maria que o safe.
Acha-se autónomo e que se sente bem capaz de tomar conta de si próprio; nós preferíamos que vivesse com os filhos, ora aqui, ora na minha cunhada. Ele responde era o que faltava. A cunhada não diz, mas pensa era o que faltava. Ela continua  a ver o pai como um homem novo, mas na verdade o BI dele diz que os oitenta e três anos chegam já em Julho.

Não está fácil resolvermos o problema; o marido anda arreliado com a situação e a minha cunhada preocupa-se pouco (já vi isto acontecer quando a minha sogra ficou doente). Temo que não vá ser fácil. Acho que também me vou aborrecer, porque não sendo filha acabo por achar que tenho obrigações. Se há coisa que me custa é ver as pessoas de idade descuidadas pelso familiares.

Comentários

  1. É muito triste mesmo, espero que tudo se resolva pelo melhor, pelo menos ele tem o teu marido e tu que se preocupam! As melhoras!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Niki,

    Acho que é nosso dever preocuparmo-nos. As pessoas não devem ser desprezadas e menos ainda estando doentes.

    Não me sentiria bem com a minha consciência se não tentássemos resolver isto sem prejuízo das partes.

    obrigada pelas melhoras.

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. O teu post fez-me sorrir lágrimas de amargura. Sabes que são todos iguais. O meu pai (devido ao cancro) fez muitos AVC e poucos dias antes de piorar estava eu nos cuidados intensivos com ele a insistir que este ano não poderia plantar batatas nem nada ou qual ele sorria porque não ia fazer nada do que eu lhe dizia...

    Eu sei que chateia porque só queremos o bem deles, mas por outro lado é assim que eles se sentem bem e vivos! E úteis. Por isso, acompanha-o e apoia-o. Tenta que ele não abuse mas não tente fazer com que ele pare, porque com uma certa idade parar é o mesmo que morrer.

    ResponderEliminar
  4. Dina,

    Nós sabemos que, para ele, parar é morrer, mas pedimos algum bom-senso; pelo menos, deve resguardar-se alguns dias. anda a fazer-se forte é o que é.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]