Avançar para o conteúdo principal

Aproveitar a vida

É habitual o sábado ser aproveitado para as lides domésticas, mas ontem foi diferente. E tentarei que a partir de agora o continue a ser.
A vida é demasiado curta para ser perdida somente em obrigações. Por isso, passei uma boa parte da manhã a pesquisar e a sonhar acordada. A passagem pela biblioteca da cidade permitiu sacudir da cabeceira o livro que não conseguia ler e já comecei a ler um deles. Ainda só li cerca de cem páginas do D. Amélia da Isabel Stilwell, e estou a adorar. A ida ao cinema fez-nos perceber que há algum tempo que não íamos ao cinema. Os bilhetes estão caros! Mas Hugo (em português, a Invenção de Hugo) permitiu-nos esquecer o preço pago. O filme é leve e bonito; talvez eu tivesse saído com a ideia reforçada que não devemos desistir dos nossos sonhos.
Uma visita ao sobrinho que adora livros e histórias, animais e água, foi a sobremesa antes do jantar tranquilo.
Os fins-de-semana cheios de coisas para fazer têm de acabar; há tanto para aproveitar, e tudo acaba por se fazer na mesma. Haja vontade.

Não sei se é da felicidade que anda a nascer dentro dele (e se o futuro fôr risonho, vai transbordar),  este ano quer ir fazer uma viagem. Diz que não há fogo que o detenha!

Comentários

  1. Estou aqui. A TORCER POR VOCES!!!!!
    Beijinho grande :))))

    ResponderEliminar
  2. Tenho que ver a Invenção de Hugo. Provavelmente vou vê-lo esta semana.
    Bom domingo e aproveita a vida, como já diz o título do teu blogue.

    ResponderEliminar
  3. Tb eu era assim e dei-me conta que deixava de aproveitar o melhor da vida. Por isso redefini prioridades ;) O livro D. Amélia é fantástico: tb adorei!

    ResponderEliminar
  4. Tenho sentido a mesma coisa. E este desafio deu que pensar nisso mesmo. Há quanto tempo não vou ao cinema? Talvez há um ano.
    É preciso aproveitar mais a vida!

    Um beijinho (e muita, muita felicidade para vocês).

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …