domingo, 18 de março de 2012

Com todo o amor (que me dás)

Nesta nova fase que estamos a atravessar, sinto-o ainda mais amoroso, cuidadoso, dedicado. Aconteceu a mesma coisa da outra vez. Nos seus olhos leio a esperança a crescer desmesuradamente. Não quero pensar no medo da desilusão que possa vir a ter com dez dias de longa espera. Essa desilusão não vai acontecer, repito para mim vezes sem conta. Não vai. À segunda é de vez.

Sinto-o tão feliz, que a minha fé também cresce. Apesar de todas as nossas adversidades ao longo de todos estes anos juntos, não temos desisitido. Ultrapassámos cada obstáculo e vencemos. Nunca nada foi à primeira, nunca nada foi de mão beijada.Mas conseguimos. Agora não vai ser diferente. Quero acreditar que sim.Porque o sonho me comanda a vida neste momento, e sonhar é mais forte:. Nada, neste momento, me consegue fixar os pés ao chão, mesmo que haja um grilo falante na minha cabeça a querer que torne à terra e deixe de sonhar. Cala-te! - Grito-lhe. Vou aonde me leva o coração. E o coração vai levar-me ao que mais desejo. Agora acredito mesmo que sim.