Avançar para o conteúdo principal

Dia 1 - Livro

Vi há pouco uma reportagem sobre uma das emblemáticas livrarias de Lisboa. Fechou as suas portas hoje, depois de mais de setenta anos de portas abertas. Fechar uma livraria é como perder um local mágico.
Não há sítio mais calmo para ir do que uma livraria ou até mesmo um alfarrabista; os livros são como as pessoas, têm o seu próprio aroma. Eu gosto de parar numa livraria e folhear um ou outro livro; gostaria de levar muitos para casa. Forrar paredes com livros e todos os livros poder ler um.
Sempre tive o hábito de oferecer livros mesmo aos mais pequenos. O meu sobrinho, com menos de dois anos adora livros. Eu fico orgulhosa nisso.
Sempre sonhei ler livros a um filho que trouxesse no ventre, para que amasse as histórias e a leitura tal como eu amo. eu, que apenas recebia livros quando fazia anos, e recorria às bibliotecas. Ainda trago na carteira quatro cartões de leitor de quatro bibliotecas diferentes. Os livros estão agora ao alcance de todos; quando era miúda abrir o embrulho e descobrir que era um livro era uma festa. Ainda hoje poucas pessoas têm o hábito de me oferecer livros, algo que tenho pena.

Certamente, ao longo da vida tive muitos livros que tivesse gostado. Para sempre ficarão dois, que foram lidos por empréstimo de amigos; não moram cá em casa. Um  é O Perfume, de Patrick Suskind, que consegue descrever algo que acho indescritível: os aromas. O livro é algo de fantástico.O outro é o Cem Anos de Solidão, do Gabriel Garcia Marquez. As personagens são autênticos quebra-cabeças pela repetição de nomes, a história é singular e o desfecho inesperado.

Todo o livro tem um mundo dentro, onde a imaginação nos leva onde quisermos.

[participação no desafio da Anita]


Comentários

  1. Adoro O Perfume. Consegue sentir-se aqueles cheiros todos. :)

    ResponderEliminar
  2. Sofia,

    Totalmente de acordo contigo. Por isso o livro é fantástico!

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Também gostei muito d'O Perfume. Adoro livros e não vivo sem eles =)

    ResponderEliminar
  4. Luar,

    Estou a ver que não sou a única a gostar d'O perfume.

    os livros são mágicos.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Foi com sentida tristeza que li e vi a notícia na tv sobre o fecho de uma livraria antiga e cheia de história. Lamento que outras lhe sigam exemplo. Antes, muito mais do que agora, perdia horas nas livrarias. Quando morei em Lisboa, adorava ir para a Baixa do Chiado percorrer uma rua que lá há cheia de livrarias antigas, dessas em que se entra e há uma magia no ar, as pessoas a atender são maravilhosas.
    Quanto ao Perfume, também o li emprestado. Já o comprei para oferecer. Adorei, adorei, adorei. E vi o filme um pouco a medo, mas foi dos filmes que vi que melhor foram adaptados do livro. Absolutamente fantástico. Basta dizer que o autor fez questão de acompanhar cada minuto do filme, para que nada fosse alterado à história original.

    ResponderEliminar
  6. Querida Alice, fico tão transtornada quando ouço dizer que livrarias centenárias, andam a fechar portas que nem imaginas!!
    os livros deveriam ser considerados bens de primeira necessidade, sim.

    ResponderEliminar
  7. ... tb fiquei triste ... falo nisso no meu post :(
    ... adoro o cheiro dos livros ... ir aos alfarrabistas é uma emoção descobrir com cada preciosidade ..
    E é muito importante incutir nas crianças os hábitos de leitura :)
    Jinhos

    ResponderEliminar
  8. Raio de luar,

    Não vi o filme.No entanto, até prova em contrário continuo a achar que os filmes não conseguem chegar onde nos levam os livros.

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  9. Querida Manuela, ´

    Estaremos sós se não tivermos um livro para ler. Os livros são bens de primeira necessidade, apesar de muita gente não o achar.

    Beijinho e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  10. Lemon,

    Não podia estar mais de acordo contigo ;)

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  11. ângela, Ainda não li o teu post- desculpa- mas vou ler!

    As crianças deviam saber o que é um livro ainda na barriga da mãe.

    Beijinho e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)