Avançar para o conteúdo principal

Dia 12 - Cidade [Aveiro]



Não é a terra onde moro, tão pouco onde nasci, mas vivi lá uns quantos anos na fase adulta.

As gentes são de uma simpatia ímpar, a comida é boa, a cidade pacata e acolhedora. Podemos conhecer toda a cidade a pé ou de bicicleta. Há os ovos moles e as belíssimas caldeiradas, os moliceiros e a Praça do Peixe.
 A cidade ideal para se adorar viver lá, excepto os malditos mosquitos que mordem até por cima das calças de ganga no Verão. :)

A cidade que me deu a conhecer o meu grande amor, o meu marido. Algumas das peripécias que hoje relembro com muito carinho e as amizades verdadeiras também nasceram lá.

Comentários

  1. É uma bela cidade, sim senhora. :)

    ResponderEliminar
  2. Alice, Aveiro é uma cidade muito bonita e tranquila, os canais, as cores, a arte nova nas fachadas das casas, os ovos moles ... tudo características desta cidade que muitos chamam de Veneza Portuguesa :)

    Boa escolha :)

    Jinhos

    ResponderEliminar
  3. Sofia e ângela,

    ainda não conheci ninguém que não se tivesse apaixonado por Aveiro.

    tem qualquer coisa que atrai toda a gente.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. E fico tão babada e orgulhosa quando falam assim da minha cidade :)

    ResponderEliminar
  5. Raiozinho,

    Também é a "minha" cidade :)

    Aveiro é nosso e há-de ser! Aveiro é nosso até morrer! ;))))


    Beijinho grande

    PS- Preferi ler-te em silêncio, a dizer-te mais uma frase batida.

    ResponderEliminar
  6. Vivi lá dois anos e de lá guardei boas lembranças e profundos amigos. Sempre que posso vou até lá!
    Beijinho
    PS. Esqueceste-te de mencionar o ocasional cheiro (desagradável) da ria!!!!

    ResponderEliminar
  7. Isilda,

    estou a ver que também partilhas do gosto por Aveiro.

    O cheiro da Ria foi omitido propositadamente. ;) Não quero assustar ninguém desta cidade magnífica

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …