Avançar para o conteúdo principal

Dia 4 - Amuleto

Sou de acreditar que somos nós que fazemos o futuro, as nossas escolhas, os caminhos que percorremos, as pessoas com quem estamos. A sorte combina-se pelas nossas opções. Por isso, não sou totalmente crente em amuletos. Há quem acredite que trazer algo consigo lhe traz sorte; sem ele as coisas boas não acontecem. Eu sou mais de pensar que, pelo sim, pelo não - antes prevenir que remediar- é melhor andar com algo que me protege. Mal também não fará.

Quando andava a estudar e durante muito tempo, quando fazia exames, usava os meus primeiros brincos de ouro, depois passei a usar uns, herdados da minha avó. Era uma espécie de protecção, sei lá. Sempre tive a noção que isso não ia mudar nada no resultado das notas, no entanto, sentia uma espécie de conforto.

Não tenho pulseirinhas da sorte (nem nunca tive). Neste momento, trago no porta-luvas do carro uma caixinha verde com um rosário pequenino, comprado em Fátima. Trago-o porque foi a minha mãe que mo deu e não propriamente pela crença. Por isso, não creio que se possa chamar um amuleto.

Comentários

  1. Não acredito que sem eles coisas boas não aconteçam. Mas mal não fazem ;) Alem do que os que tenho são ofertas de pessoas especiais, logo valem mais pelo significado do que por amuletos :)
    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  2. Sofia e Luar,

    Pois é... relembram-nos quem gosta de nós. E mal não fazem certamente.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Creio que este tipo de coisas é mais para nos dar confiança, segurança em alguma situação em que precisamos. :)))

    ResponderEliminar
  4. Miss Pepper,

    Sim, creio que sim, Mas conheço quem acredite mesmo em amuletos, e não passe sem eles.

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Nem a propósito, o meu post também fala do pouco crente (ou nada mesmo) que sou no poder dos amuletos. Também já tive ofertas da minha mãe que usava só porque tinha sido ela a oferecer, não porque acreditasse nisso. É como diz o outro 'mal não deve fazer, certo?'

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. B. Cérise,

    Conforta-nos termos algo que nos lembra alguém querido, acho eu!

    Pois, mal não deve fazer!

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)