segunda-feira, 19 de março de 2012

Sobre o livro que ando a ler

Comecei a ler o livro D. Amélia, no sábado à noite, depois de termos vindo do cinema. Aproveitei que ele estava de volta dos estudos e resolvi começar pelo livro mais volumoso que tinha trazido da biblioteca. Comprar livros torna-se quase incomportável, não só pelo dinheiro mas pela falta de espaço.
Nunca fui muito de ler romances históricos. Por qualquer razão que desconheço, assim que vi o livro, não o larguei, começando logo a lê-lo. Nunca liguei grande coisa a princesas nem rainhas. E ao contrário da maioria das pessoas da minha idade, nunca fui obrigada a saber de cor as dinastias dos reis de Portugal. Mas este livro tem qualquer que me seduz, que não me deixa largá-lo. Obviamente que me deixo ser tendenciosa. revejo-me algumas vezes na posição de espectadora participante, apetecendo-me dar um viva à Rainha D. Amélia; censuro o rei D. Carlos por não ver a mulher que ela é. Vejo-me a largar impropérios contra a classe política da altura, que mais não quer que abarcar tudo para si, deixando o povo à míngua. Sim, estou agarrada à história que leio, que será um bocadinho da nossa História.
Nota-se que estou gostar? Eu diria que estou viciada, apesar de já conhecer alguns desfechos sem os ler.
Estou cheia de vontade de chegar a casa para voltar a pegar no livro. Não páro de pensar no que irá acontecer a seguir. Há muito tempo que não me sentia a vibrar assim.

6 comentários:

  1. Ando com vontade de o ler, ultimamente só tem havido tempo para leitura técnica. A D. Amélia foi uma mulher fantástica, vais gostar :)

    ResponderEliminar
  2. Lemon ,

    Aconselho vivamente. e se admiras a D. Amélia, ainda irás gostar mais.

    Eu não estou a gostar! Estou a amar! mais de meio livro já está lido à conta do entusiasmo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Uma colega no meu antigo trabalho andava a ler o livro e fartava-se de falar dele, e também não o largava :)
    Quando fui de férias ao Alentejo revisitei o Palácio de Vila Viçosa, onde a presença de D. Amélia está muito bem documentada. Sim, a cama dela era pequena, ela devia dormir toda encolhida... e os berços dos príncipes lá estão em exposição. A minha amiga de lá fez anos pouco depois e enviei-lhe o livro como prenda. Ela adorou e também o devorou logo. Portanto, também tenho de o ler, porque já são várias pessoas a aguçarem-me a curiosidade, e ao contrário de ti, adoro um bom romance histórico.

    ResponderEliminar
  4. Raiozinho,

    Não apreciava os romances históricos porque os que caracterizava como tal ficaram longe da minha expectativa.

    Quanto ao livro é frantástico. Aconselho-te a lê-lo. Já está na lista ler o Catarina de Bragança.
    Também já fuia Vila Viçosa, mas não houve oportunidade de ve o Palácio; fiquei-me pelo exterior e confesso que reconheço a sua grandiosidade.

    Ainda voltando ao livro, estou a cerca de 100 páginas de o acabar (são cerca de 600); comecei a lê-lo no sábado à noite. como vês,tem sido um constante apego à leitura . É-se incapaz de parar.

    Estou a gostar muito.Imenso. Recomendo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olá Alice, obrigada pela visita e pelas palavras de esperança que deixaste e que retribuo. Costumo cá vir, mas acho que nunca tinha comentado. Não conhecia este livro, mas se for tão bom como o Filipa de Lencastre (o meu favorito) e o Catarina de Bragança, fica já na minha lista de leituras.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Mabel,

    Quando precisares, já sabes!

    Sim, o livro é delicioso.

    Fiquei curiosa para ler os outros.

    Bjs e boa sorte

    ResponderEliminar

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)