Avançar para o conteúdo principal

Sobre o livro que ando a ler

Comecei a ler o livro D. Amélia, no sábado à noite, depois de termos vindo do cinema. Aproveitei que ele estava de volta dos estudos e resolvi começar pelo livro mais volumoso que tinha trazido da biblioteca. Comprar livros torna-se quase incomportável, não só pelo dinheiro mas pela falta de espaço.
Nunca fui muito de ler romances históricos. Por qualquer razão que desconheço, assim que vi o livro, não o larguei, começando logo a lê-lo. Nunca liguei grande coisa a princesas nem rainhas. E ao contrário da maioria das pessoas da minha idade, nunca fui obrigada a saber de cor as dinastias dos reis de Portugal. Mas este livro tem qualquer que me seduz, que não me deixa largá-lo. Obviamente que me deixo ser tendenciosa. revejo-me algumas vezes na posição de espectadora participante, apetecendo-me dar um viva à Rainha D. Amélia; censuro o rei D. Carlos por não ver a mulher que ela é. Vejo-me a largar impropérios contra a classe política da altura, que mais não quer que abarcar tudo para si, deixando o povo à míngua. Sim, estou agarrada à história que leio, que será um bocadinho da nossa História.
Nota-se que estou gostar? Eu diria que estou viciada, apesar de já conhecer alguns desfechos sem os ler.
Estou cheia de vontade de chegar a casa para voltar a pegar no livro. Não páro de pensar no que irá acontecer a seguir. Há muito tempo que não me sentia a vibrar assim.

Comentários

  1. Ando com vontade de o ler, ultimamente só tem havido tempo para leitura técnica. A D. Amélia foi uma mulher fantástica, vais gostar :)

    ResponderEliminar
  2. Lemon ,

    Aconselho vivamente. e se admiras a D. Amélia, ainda irás gostar mais.

    Eu não estou a gostar! Estou a amar! mais de meio livro já está lido à conta do entusiasmo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Uma colega no meu antigo trabalho andava a ler o livro e fartava-se de falar dele, e também não o largava :)
    Quando fui de férias ao Alentejo revisitei o Palácio de Vila Viçosa, onde a presença de D. Amélia está muito bem documentada. Sim, a cama dela era pequena, ela devia dormir toda encolhida... e os berços dos príncipes lá estão em exposição. A minha amiga de lá fez anos pouco depois e enviei-lhe o livro como prenda. Ela adorou e também o devorou logo. Portanto, também tenho de o ler, porque já são várias pessoas a aguçarem-me a curiosidade, e ao contrário de ti, adoro um bom romance histórico.

    ResponderEliminar
  4. Raiozinho,

    Não apreciava os romances históricos porque os que caracterizava como tal ficaram longe da minha expectativa.

    Quanto ao livro é frantástico. Aconselho-te a lê-lo. Já está na lista ler o Catarina de Bragança.
    Também já fuia Vila Viçosa, mas não houve oportunidade de ve o Palácio; fiquei-me pelo exterior e confesso que reconheço a sua grandiosidade.

    Ainda voltando ao livro, estou a cerca de 100 páginas de o acabar (são cerca de 600); comecei a lê-lo no sábado à noite. como vês,tem sido um constante apego à leitura . É-se incapaz de parar.

    Estou a gostar muito.Imenso. Recomendo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olá Alice, obrigada pela visita e pelas palavras de esperança que deixaste e que retribuo. Costumo cá vir, mas acho que nunca tinha comentado. Não conhecia este livro, mas se for tão bom como o Filipa de Lencastre (o meu favorito) e o Catarina de Bragança, fica já na minha lista de leituras.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Mabel,

    Quando precisares, já sabes!

    Sim, o livro é delicioso.

    Fiquei curiosa para ler os outros.

    Bjs e boa sorte

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]