Avançar para o conteúdo principal

Normalidade


O que tinha sido secundarizado passou novamente ao quotidiano das preocupações; volto  a pensar na ida ao concerto que tinha sido posta de parte, embora já tivesse bilhete. 
Também já não posso evitar  a peregrinação forçada aos espaços comerciais, em busca de um vestido (*) para o casamento a que prometi ir no final do mês. As idas ao sogro voltaram à ordem do mês. A agenda do marido, com cursos para dar, cursos para receber  e um exame pelo meio, parece estar agora reajustada aos planos pré-tratamento.
Começamos os planos para as férias, que tinham ficado suspensos à espera do que ia dar.
A vida deu uma volta de 360º (sim, 180º + 180º) em seis dias. Tanto reajuste que também provocou stress. Passou-se do planeamento ao controle. E descontrolei-me com isso. Agora tomou o ritmo normal. A normalidade não é necessariamente boa. Não desta vez. Mas a vida tem destas reviravoltas.

(*) Arranjar um vestido é coisa para me pôr a cabeça em água. Chega a dar-me um colapso nervoso. para descomprimir não me serve de receita ir às compras. Serve-me melhor enfiar-me dentro de água.

Comentários

  1. Como se um duche nos "massajasse" a alma, e a água conseguisse desviar os pensamentos, quando na verdade, é quando estamos mais à vontade para pensar neles.

    Beijinho e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  2. S.o.l,

    Eu diria mais,é quando estamos mais aptos à organização e com uma capacidade acurada para perceber soluções.

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]