Avançar para o conteúdo principal

A pobreza de espírito de uns contra a fome de outros

Dizem que os homens não choram... Não podia ser mais mentira. Choram por tanta coisa. Ontem vi um  chorar de gratidão. Sentado no chão.
Eu precisava comprar umas meias, entrei na loja e ouvi fugazmente falar em fome. Quando sai a palavra não me saía da cabeça. Perguntei-lhe se aceitava pão. Acenou-me que sim. Peguei no saco do pão que tinha comprado para o almoço [a única coisa comestível que tinha] e dei-lho. Vi as lágrimas lavarem-lhe o rosto. Agradeceu vezes sem conta. Também não consegui evitar chorar. Do lado de dentro da loja, ficaram a olhar espantados como se eu tivesse cometido um crime. Desde quando dar de comer a quem tem fome é motivo de espanto?

Eu sou pouco de publicitar as ajudas que presto aos outros. Porque não procuro nem taças nem medalhas. É sempre tão pouco o que consigo dar; quem me dera poder dar mais. Acho que todos podemos melhorar um bocadinho o mundo. tenho pena que nem todos pensemos da mesma maneira. O mundo seria bem melhor.

Comentários

  1. as pessoas cada vez olham mais para si deixando cada vez mais de ver o que está à sua volta. mas o maior problema não está em olharem apenas para si, mas está sim em terem consciência disso e nada fazerem. isto sim são "bichos".

    ResponderEliminar
  2. É triste chegar a este ponto. o teu gesto foi grande. Pena é muitos que pedem não aceitarem comida, mas nestes casos, nem quero imaginar a necessidade desta pessoa...

    ResponderEliminar
  3. Tal seria o desespero deste senhor... o que me espanta no meio disto tudo é o espanto das outras pessoas. É o nem sequer porem a hipótese de fazerem o mesmo. É o nem sequer imaginarem que poderiam estar naquela posição.

    Não nego comida a ninguém. Nunca sabemos o que está por trás da história de cada pessoa.

    Um beijo grande Alice

    ResponderEliminar
  4. Houvesse mais pessoas a pensar como tu, e o mundo seria melhor. Eu sempre achei que ninguém merece passar fome. Posso ter dúvidas em dar dinheiro (sei lá se não vai ser gasto em fins menos honrosos), mas pão não se nega a ninguém.

    Um beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]