Avançar para o conteúdo principal

resposta a desafio - I




regras:

1 - Criar um post e responder às questões de quem te deu a TAG;
2 - Criar 11 novas perguntas diferentes para passar;
3 - Escolher 11 blogs para dar a TAG e colocar o link delas no post;
4 - Avisar os 11 blogs que foram escolhidos.

Fui contemplada com este selo pela Belle du Jour, Também eu adoro visitar o blogue dela. E por isso, acho que devo retribuir-lhe a gentileza respondendo às perguntas que formulou aos contemplados


1 – prato preferido? agora que penso nisso, acho que não tenho nenhum preferido. (mas tenho uns quantos que detesto). Nesta altura do ano, gosto muito de ervilhas com ovo escalfado - agora é algo proibido de ser comido!


2 – que oferecias ao PM no Natal? algo feito que cá em casa [um fantoche por exemplo]; com tanta medida de austeridade não há dinheiro para grandes presentes


3 – em que acreditas? Acredito nas pessoas (muitas vezes em demasia);

4 – meio vazio ou meio cheio? por força das vicissitudes da vida, a maior parte dos dias: meio vazio; anda-se a tentar contrariar este pensamento por aqui,

5 – caracóis ou camarões? camarões! Sou a única na família incapaz de comer caracóis; e não tem nada a ver com nojo.

6 – quem admiras? os meus pais, por todas as adversidades que passaram e a persistência que tiveram para chegar onde chegaram. por me darem esta educação baseada na justiça  e na humildade.

7 – o que não gostas nada de fazer em casa? apesar de não desgostar de cozinhar, é o que menos gosto de fazer. Gosto de cozinhar com tempo, algo que urge por aqui. Pior é pensar nas refeições.Também não gosto muito de limpar o pó.

8 – este verão precisas de comprar… havaianas para levar para a praia e uns ténis novos para o jogging.

9 – um livro que recomendas - Cem anos de solidão, do Gabriel Garcia Marquez (um dos meus preferidos de sempre)

10 – qual a viagem que mais gostaste? infelizmente ainda não viajei o suficiente para ter uma viagem de eleição, mes espero este ano cumprir a viagem de sonho. A que não pudemos ter na lua-de-mel.

11 – algo que fizeste de que te orgulhes? ter acompanhado a doença da minha sogra até aos últimos dias de vida. foram oito meses de inteira dedicação. Fiz tudo o que estava ao meu alcance para que, nem ela nem o meu marido, sentissem falta de nada. Dei tudo o que podia dar, e quase perdi a alma. sinto um imenso orgulho por ter sido forte, por ter aguentado tanta provação contra o cancro. Sinto orgulho por não ter voltado as costas, apesar da distância física.

Dedico este selinho a todas as pessoas que me têm dado muita força nos momentos menos bons da minha caminhada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)