Avançar para o conteúdo principal

A vida é assim ou sou eu...

O corpo teima em contrariar os meus desejos. Após cinco dias com o injectável, sai o veredicto que os resultados estão longe do satisfatório. Lá para o Verão - ou sei lá eu quando- voltamos a tentar. Não vale a pena andar a arrastar o tratamento, correndo o risco de me comprometer a saúde. Sensato, sem dúvida que foi assim que julguei a decisão médica.
Primeiro conformei-me, depois indignei-me, por fim, revoltei-me e chorei. Hoje resolvi escrever para pôr um ponto final parágrafo. Escrevi e apaguei tantas vezes, e só isso denota a minha desorientação do pensamento.
Hoje, fico com a sensação que devia ter sido capaz de apanhar o comboio da primeira vez. Quando tudo correu sem problemas. Não sei se ele torna a parar na minha paragem.
Mas como disse a enfermeira-parteira franzina, que ontem me contou mais uma história das muitas que fui ouvindo ao longo da minha odisseia: Acreditar. acreditar. acreditar. Mesmo que ninguém mais acredite.
Talvez devesse ter acreditado mais, que foi a única coisa que talvez tenha ficado por fazer.

Fiquei fora da corrida, ainda antes da primeira volta. No dia da Mãe.

[não quero a pena de ninguém. quero apenas livrar-me deste peso que trago dentro do coração]

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)