Avançar para o conteúdo principal

Alguém sabe o que é?

Quando me lembro das coisas que existem nas cidades e que estão fora do alcance das pessoas de muitas aldeias deste país, Vem-me sempre à memória a história do Rato do Campo e do Rato da Cidade.

Não são raros os casos de crianças da cidade, que julgam que as batatas crescem das árvores. Não sabem que as pevides vêm das abóboras ou que os frangos não existem naturalmente depenados tal e qual como se vêm em qualquer churrasqueira. Haverão mais exemplos, certamente.
Toda a gente houve falar, mas muitas vezes as pessoas desconhecem as origens das coisas.

A propósito disso, hoje, encontrei uma  coisa-que-que-não-quero-dar-já-o-nome que já não via há algum tempo. Não porque seja da cidade, mas creio que possam ter desaparecido devido à poluição com biocidas. Confesso que surte em mim uma certa fascinação. Até o meu sobrinho de dois anos sabe o que é. Temo que a foto não possa ajudar muito, mas cá fica, para quem queira dar um palpite.
Viver no campo tem coisas fascinantes, esta é uma delas. Alguém  tem ideia do que poderá ser? :)




Comentários

  1. Um pirilampo? Se for isso também me lembro de os ver quando era miúda e vivia no campo!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. É um pirilampo? Na terra do meu pai chamavam-lhes (e perdoa-me a expressão, é só porque lhe acho muita graça) "c*ga-lume" :D

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Um pirilampo :D
    O teu texto fez-me sorrir umas quantas vezes. Sou menina nascida e criada na aldeia, assisti de perto todos os rituais de sementeiras e colheitas, ainda me lembro de ser pequenina e lavrarem a terra com os arados e os bois a puxar. Sou do tempo da tradicional matança do porco (eu fugia sempre na altura), dos fornos de lenha para cozer pão e assar as caçoulas de carne. Da capoeira cheia de galinhas, pitos, coelhos, galos, patos, perus, e outras variedades. Dos porcos e ninhadas, das vacas e bezerros a leite, das ovelhas... das mimosas em flor em fevereiro, dos pirilampos no verão, do céu estrelado à beira rio... e que bom ter sido menina da aldeia :)

    ResponderEliminar
  4. É um pirilampo??????
    É difícil...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Ângela,

    Achei curioso chamares-lhe assim.Não é um nome muito usual. a tua resposta foi a única quer não se repetiu.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. B. Cérise,

    certo!

    É pena que já não haja muitos, mesmo na aldeia.

    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Paula e Naná,

    Certíssimo. afinal a foto não está assim tão imperceptível.

    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Carla,

    é mesmo um pirilampo ou vagalume como lhe chamou a Ângela.

    Português é mesmo assim. Não te preocupes. Por aqui, as pessoas também lhes chamam luz-cu... coisas populares...

    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Raiozinho,

    Nas aldeias, as pessoas podem não estar perto de todas as tecnologias, mas há coisas que nenhuma tecnologia paga.

    Os pirilampos continuam a ser fascinantes, apesar de eu conhecer o fenómeno da fosforescência.

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Eu e tu, Dear Daisy:

    Acertaram ambas! è um bichinho fantástico!

    Bjs

    ResponderEliminar
  11. 30 and counting,

    Sê bem vinda! Apesar de na foto não se ver muito bem, mas é mesmo um pirilampo.

    Bjs e volta sempre!

    ResponderEliminar
  12. Sempre pensei como tu. As crianças que vivem fora dos grandes centros urbanos têm acesso a muitas coisas que na cidade nem lhes passa pela cabeça. O meu sonho era morar no melhor dos dois mundos - no campo, mas perto da cidade. E ainda hei de chegar lá! Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]