Avançar para o conteúdo principal

o que me continua a incomodar

Nos encontros de família - como o deste sábado - ou casamentos- como o de sábado passado, pior do que pensar em vestidos, malas e sapatos é tentar escapar a perguntas como: estás à espera de quê para ter filhos? fazer-te velha?

Nem todos os momentos são fáceis para lidar com estas perguntas. engole-se em seco. Nem sempre a resposta que treinei tantas vezes é fácil de sair do pensamento e passar da boca para fora.


Comentários

  1. Sim...
    A família é perita em fazer perguntas chatas... Fujo deles :D

    ResponderEliminar
  2. é dificil mesmo ouvir certas coisas quando só nós sabemos o que vai cá dentro! senti a tua falta. beijinho

    ResponderEliminar
  3. Candybabe,

    esta mais do que chata é bastante incómoda...

    Nem sempre consigo fugir... mas tenho crises de ansiedade antes destes eventos, que me leva a desejar não ter aceite.

    Mas não podemos isolar-nos.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Belle,

    Nem imaginas quanto custa ouvir estas e outras perguntas... algumas delas bem desconcertantes.


    Estes últimos dias não foram fáceis; às vezes, são precisos silêncios que vão para lá da palavra escrita.

    beijinho (espero estar de volta)

    ResponderEliminar
  5. cá estou eu de novo para te dizer que te deixei um selo para te distraíres. um beijinho e bom domingo!

    ResponderEliminar
  6. As pessoas adoram fazer comentários e perguntas sobre um assunto que é dos mais íntimos... Não percebo. Acharão que alguém está à espera daquele comentário para decidir se e quando quer ter filhos?
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. Há dias em que essas perguntas nos atingem como farpas.
    Quando temos uma ferida aberta, até a mão mais carinhosa nos magoa.
    Beijinho querida Alice.

    ResponderEliminar
  8. eu,

    ao longo do tempo fui detectando uma mórbida sobre a desgraça alheia, Sejam estes ou outros assuntos de desventura, as pessoas adoram ser a fonte da notícia, e propagá-la aos sete ventos.

    é a coscuvilhice que alimenta muitas das relações da nossa sociedade.

    Queira Deus e desejo eu que consigas depressa concretizar o teu desejo de conceber, para não seres alvo das línguas e mentes mal intencionadas como as que têm vindo a revelar-se comigo
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Dear Daisy,

    Quem sabe como somos e compreende que a vida não nos dátudo quanto desejamos, evita tudo para não nos magoar. Mas são raras pessoas com esta sensibilidade de perscrutar para além do silêncio do nosso olhar-

    beijinho, Que tudo te corra bem

    ResponderEliminar
  10. É por isso que eu muitas vezes evito fazer certas perguntas .. nunca sabemos o que se passa e por vezes tocamos na ferida de alguém ... temos que ter alguma sensibilidade ...
    E há coisas que se podem evitar ...

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  11. se ha coisas que me irritam bastante sao essas perguntas, quando casam? quando tem filho? mas para quê? eu nuca faço essas peguntas a ninguém, pois acho que não tenho nada a ver com isso, as pessoas casam quando tiverem que casar, tem filhos quando quiserem e se quiserem, mas para quê a obrigação de seguir tradiçoes e estereotipos.
    imagino que não seja nada fácil teres que ouvir essas perguntas...
    beijinhos e força par ti

    ResponderEliminar
  12. Anita,

    também não tenho por hábito fazer essas perguntas; nem quando as pessoas me são íntimas. Achoq eu tem muito a ver com a educação de cada um. A vida dos outros interessa-me pouco ou nada. Salvo se acho que a possa melhorar procuro ter um papel activo nisso.


    Mais do que não ser fácil ouvir, é não ter vontade de responder ou saber o que responder sem ser mal educada.

    beijinho, querida Anita

    ResponderEliminar
  13. Certas pessoas sentem prazer em magoar os outros, principalmente quando sabem que estão mais frágeis. Ainda gostava de perceber porquê.

    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  14. Ângela,

    felizmente és uma pessoa de bom senso. E muita sensibilidade (isso nota-se nas tuas fotos).

    beijinho grande

    ResponderEliminar
  15. carla,

    neste caso as pessoas não sabem. apesar de contar aqui o que se passa, as pessoas que me rodeiam não sabem da situação.

    Independentemente disso, vejo algum atrevimento em as pessoas perguntarem coisas que não lhes dizem respeito. Nem sequer sabem se desejo ter filhos...

    A sociedade pressiona de tal maneira como se o mundo fosse acabar por eu não ter filhos. Não é que não queira, mas ninguém tem nada a ver com isso.

    bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]