Avançar para o conteúdo principal

sair da sombra

Não sou muito exigente. Palavra que não sou. Mas existe uma linha que separa o admissivel do inadmissivel, o justo do injusto. Esta é a linha que traçamos para sabermos o que podemos dispor e o que os outros podem obter de nós. Este traçado é válido tanto para as nossas relações profissionais como pessoais.

Posto isto, e depois do que aconteceu ontem existem dois ditados populares que tornei  máximas de vida há umas semanas:

" Quanto mais te baixas, mais te vêem o rabo". Portanto, nada de mostrar sinal de franqueza ou manifestar qualquer hipótese de cedência. O tempo da escravatura já acabou. Se não zelarmos pelos nossos interesses, não é o nosso patrão que zela por eles. Podem parecer palavras que saem de boca de sindicalista (que não é o caso) mas ando esgotada que seja sempre eu a ceder em troca de nada.

"Quem não pede, não o ouve Deus."- o pior que pode acontecer é manter-se tudo igual. Arrependamo-nos do que fizémos e não do que tenhamos feito.

Comentários

  1. Dois ditados muito verdadeiros. Acho que fazes muito bem. É como dizes, o pior que pode acontecer é ficar tudo na mesma. Mas pelo menos tentaste.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Isto já parece cliché, mas em tanto que escreves, sentes e pensas eu revejo-me. Já passei por tantas situações dessas. Já me arrependi de não ter posto limites, ou ter mostrado a existência dessa linha mais cedo, porque quando o fiz parece que foi tarde, que não aceitaram esses meus limites, como se a cabra inflexível fosse eu. É que depois é assim que nos vêem e não como pessoas absolutamente cansadas e esgotadas de ceder sem nada em troca.
    Força, porque sei que é uma luta interior nossa esse pôr e mostrar os nossos limites aos outros.

    ResponderEliminar
  3. Esse primeiro ditado de que falas é tão, mas tão verdadeiro! Quanto mais nós fazemos, menos valor temos, infelizmente! Eu não consigo ser de outra maneira, mas à conta disso bato com a cabeça na parede tantas vezes!
    E sou apologista do 2º :) Quem quer as coisas, tem de lutar por elas, certo? As coisas não aparecem feitas, se não formos nós a lutar por elas!
    Falas de exigência, mas isso pode ser tão relativo! O que para ti está ótimo, para outro pode ser apenas bom, mas desde que haja um bom entendimento no trabalho não me parece grave!

    um beijinho*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]