Avançar para o conteúdo principal

Aí vem mais um...

Vem ai Setembro. O mês em que me casei. O mês de aniversário do marido.

Tenho-me lembrado, agora amiudadas vezes, das conversas durante o namoro. A maior parte das delas decorreram sob o céu cheio de estrelas. Lembro-me de nos encostarmos ao muro da casa, e procurarmos constelações. A Ursa Maior, a Ursa Menor, a Estrela Polar. E as conversas partiam de uma simples olhadela no céu a ver quem as descortinava primeiro.

Lembro-me de me dizer que queria ser pai cedo. O pai fora-o pela primeira vez com 38 anos - ele é o terceiro - e sentia que o pai já não o acompanhava. As mentalidades eram diferentes.
 Este mês, ele faz 38 anos. Ainda não foi pai. Não sabemos se algum dia o será. Curioso como a vida nos troca as voltas.

Vem aí Setembro. Não sabemos o que nos espera quanto à resolução dos nossos sonhos. Se Setembro trouxer um novo tratamento de fertilidade - trata-se de uma suposição- e, mais uma vez, for mal sucedido, vou esquecer este assunto de uma vez por todas. Seguir em frente, viver a vida assim. Às vezes resignarmo-nos ao destino é uma maneira de aprender a ser feliz de outra forma. Viver toda a vida lamentando o que não se tem, não é viver, é deixar passar a vida ao lado.

Comentários

  1. Tenho que concordar contigo.
    Por vezes ou demasiadas vezes é a vida é que manda, não nós. E achamos que não...achamos que esse poder é nosso.
    Já vimos que não é.
    Resta-nos dar-lhe a volta e sermos felizes com o que ela os dá.(Nem sempre fácil...)
    Que tenham os dois um mês bonito, recheado de sorrisos.
    Beijinho no teu coração.

    (Vou colocar uma foto que tens que ver :))

    ResponderEliminar
  2. Se Setembro é um mês de datas Felizes :) ...
    Poderá ser supriendente e super Feliz, vive o teu amor não há nada mais fertilizante (dizem). Fazes bem libertar o desejo, à datas que combinam :) e não é por acaso.
    Beijinhos e que seja um mês muito Feliz <3

    ResponderEliminar
  3. Dear Daisy,

    às vezes, por muito que nos custe, temos de desistir e tentar encontrar a felicidade de outra forma. Um filho não é imprescindível no amor entre duas pessoas, é um complemento para além disso.

    Se a vida tem mesmo de ser assim, que assim seja.

    (E já vi o teu bolo).

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Mar,

    Já passei há muito a fase que este mês, ou outro qualquer, por ser especial iria trazer-me o que desejava. Acho que agora resta seguir em frente, e aproveitar a vida, sendo feliz de outras. Não se pode olhar para baixo, mas olhar em frente e seguir.


    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]