Avançar para o conteúdo principal

Bons momentos


Almoçámos e conversámos. Voltámos a lugares onde já nos rimos e já chorámos. Não resistimos à feira de artesanato e andámos a cirandar nas barraquinhas. Eu comprei mais um par de brincos [ uns corações de Viana que adoro], e lá viemos as duas para casa com uma caixinha de ovos moles. 
 Uma de regresso ao Norte, outra ao Sul, mas não há distância que impeça esta amizade. Foi tão bom, que prometemos voltar a repetir!!

Comentários

  1. E passear com as amigas é tão rejuvenescedor:) ontem também tive direito a umas horas com uma das minhas amigas do coração e foi muito bom :)!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. B. Cérise,

    Ainda bem que estiveste acompanhada com quem gostas. São essas as pessoas que contribuem para que o cansaço e a tristeza se vá embora mais depressa.

    Fico contente por ler alegria nas tuas palavras.

    beijinho

    ResponderEliminar
  3. Pronto, fico a saber que passaste na minha terra e ainda não foi desta que tive o prazer de te oferecer ovos moles ;)
    É bom voltar onde fomos felizes, não é?!

    ResponderEliminar
  4. Raiozinho,

    Estive mesmo em Aveiro uma tarde inteira; não foi muito, mas deu para estar à conversa. nem sabia que havia uma feira de artesanato. Gostei muito.

    No tempo que lá vivi não havia nada disso.

    Quem sabe se não volto a Aveiro para um cafezinho contigo!

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Estiveste na FARAV no novo Cais Fonte Nova?
    Essa feira é anual, já foi no parque de feiras, depois mudou para o Rossio, mas com a obra da maldita ponte, este ano fizeram no Cais Fonte Nova, que é recente, longe de ser do teu tempo, mas é uma zona muito bonita e enquadrou mt bem a FARAV. Mas no Rossio, ou no pouco que resta dele livre também há lá umas barraquinhas, que nem sei se são por causa do turismo se é alguma feira a decorrer. Mas é pouca coisa.
    Prá próxima é comigo, fica combinado ;)

    ResponderEliminar
  6. Raiozinho,

    estivémso no Rossio- onde fui praxada- e aqilo está um pouco ao abandono (que pena!.

    mas estivémos também na rua da Cãmara- foi lá que comprei os brincos - onde estavam a maior parte das coisas. Bem giras.

    A FARAV já existia quando morei em Aveiro, mas realmente não era ali.Nem me lembrava disso.

    Já vi que o edifício devoluto junto à Ria deu lugar ao IPAM, que dantes não era ali.A Praça do peixe está tal e qual e há lojas que ainda não desapareceram. A Ria é que me pareceu bem mais movimentada.

    Nuca se sabe se não nos encontramos mesmo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Oh mas a Rua Direita, a mítica Rua Direita e o seu comércio tradicional foi à vida. Restam duas ou três lojas, não sei por quanto tempo :(
    E sim, a Ria ganhou mta vida com esta história dos passeios de Moliceiro. Ainda não andei, acreditas?! Estou à espera de uma turista para me acompanhar ;)

    ResponderEliminar
  8. Sim, há muita coisa que acabou. Mas lembrei.me da óptica onde ia comprar as lentes ainda se mantém no sítio. Assim como a papelaria liceu, ao pé da Sé. Ou a nLoja das revistas, onde comprava o bilhete de expresso e que o senhor ainda se lembra de mim...

    Foi giro regressar e o motivo por que regressei por uma tarde.

    Quanto aos moliceiros, devias ter anado pelo menos quando eras estudante!!! Eu andei. Foi giro.

    É um passeio romântico que podes fazer. nem acho muito caro.

    ResponderEliminar
  9. LOL
    Não sabes como é? Em casa de ferreiro espeto de pau. Já perdi a conta às vezes que pensámos e falámos em ir dar um passeio no Moliceiro, mas como está ali à mão, vamos adiando.
    E não comeste a bela da Tripa de chocolate?!

    ResponderEliminar
  10. è pegares nas trouxas e irem. Sem presar muito!

    As coisas são feitas se nos pusermos a elas.

    Eu, no outro dia, falei num pic nic ao por do sol e fiz mesmo isso. Sem pensar muito. no caminho comprei uma pizza, cheguei a casa tirei uns pedaços de bolo caseiro da arca congeladora, levei uns copos e ice tea do frigorífico e contemplámos um belíssimo pôr do sol, às nove da noite.

    Tens mesmo de ir andar de moliceiro.

    Quanto à tripa, tenho que confessar. Não comi porque não sou fã. Quando muito comeria no inverno, para compensar do relento da noite aveirense :)

    ResponderEliminar
  11. Este fim de semana tomámos café com um casal amigo que regressava das férias no Algarve e eles falavam das saudades de saírem da praia e irem comer a tripa de chocolate. LOL
    Em Avr é tão banal ter ali a barraquinha da tripa a cada canto e esquina que nem nos passa pela cabeça que noutros pontos do país não há. Há conta da conversa lembrei-me que há imenso tempo que não como uma tripa e estou com vontade de hoje raptar alguém e ir comer uma tripa no fresquinho da noite ;)

    ResponderEliminar
  12. Ainda bem que a conversa deu para ter ideias.

    Aproveitem bem porque a vida são só dois dias.

    ResponderEliminar
  13. A vontade veio de Sábado, mas ontem na praia eu queria era gelado fresquinho, com o calor que estava. Mas hoje ir lá à noite comer a bendita tripa, não é mal pensado, não srª :)
    Dá para descomprimir da viagem... e das obras que andam lá por casa (NEM QUERO VER, NEM QUERO VER!!)
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  14. Ui obras!

    Boa sorte! e vai lá comer a tripa e passear à beira ria!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…