Avançar para o conteúdo principal

Desculpa e obrigada

A ida a casamentos surte sempre um efeito de reviver o nosso. O de ontem, teve esse efeito, amplificado. Podia dizer que foi pelo local grandioso - sob a aura do amor eterno de Pedro e Inês - mas acho que foram pelas palavras de quem celebrou a cerimónia. Sem Eucaristia e com padre, foi uma das celebrações a que assisti que mais me falou à razão. Não me comovi, como já aconteceu, mas fez-me sentir a urgência de reflectir no que está errado. 
Dizia o celebrante que, não sendo casado, não podia recomendar por experiência própria, como deveria ser um casamento. Não os há perfeitos. Mas consegue entender que, o que falta em grande parte, são duas pequenas palavras que fazem uma grande diferença: desculpa e obrigada. Não podia concordar mais.
Como ele mesmo disse, o casamento é algo voluntário. Não há nenhuma lei que obrigue duas pessoas a casar. Não em Portugal. Por isso, o acto voluntário de um casamento não tem a ver com os outros mas connosco, com as nossas preferências e as nossas decisões. Amar e respeitar, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, e em todos os momentos da vida, não mete nem Deus nem Igreja. Mas mete-nos a nós, aquilo que estamos dispostos a fazer pelo outro, e que o outro está disposto a fazer por nós. Esta é  a parte complicada do compromisso. Às vezes, tão difícil de cumprir. 

Comentários

  1. Eu sou da opinião que nas pequenas coisas é que se vê o compromisso. Não é preciso grandes manifestações de afeto, nem presentes para se perceber quem é que gosta realmente de nós.
    O cuidar da outra pessoa, a preocupação, os mimos nas alturas mais importantes! Num casamento é isso que realmente importa, certo :)?

    ResponderEliminar
  2. B. Cérise,

    Estou plenamente de acordo contigo.

    Gostei muito da "homilia" do padre. Foi uma lição prática e um relembrar do porquê e do para quê de um casamento.

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]