Avançar para o conteúdo principal

o meu anjinho

Chega-se a casa a horas tão decentes! Só acontece um mês no ano. Dá para acabar de jantar antes das desgraças relatadas nas aberturas dos telejornais. 
Lava-se o único prato sujo, já que hoje se jantou sozinha. A vontade pende para o sofá, mesmo sabendo que há uma cordilheira de roupa para passar. Não me apetece fazer nada. Ainda não é hoje.
 A falta de exercício tem pesado na consciência, e não tarda, na balança.
Pega-se na bicicleta - enquanto não se retomam as sessões diárias do jogging - e visita-se o menino de titia. Sendo tão bem recebida não se pode ficar só um bocadinho. Montam-se Legos a fazer de conta que são autocarros, gafanhotos, aviões, aparafusadoras, e por fim, ventoínhas. Pediu tudo isto, e imaginámos muito, brincámos ao fazer de conta. Hoje não houve história nenhuma, mas demos muitas gargalhadas. Fantasiámos que andámos de mota. Vi a sua  imitação do atleta olímpico a chegar à meta e a comemorar ter vencido. Tudo muito explicadinho, sem correcções a fazer nas frases, e sem sons imperceptíveis. Levou-me às lágrimas de tanto rir, com as "macaquices" dele. Vê-se que tem prazer em fazer-me rir. A mim sabe-me bem brincar com ele. Obriga-me a imaginar aquilo que só uma criança tem o poder de imaginar.

Ele foi dormir. Eu vim para casa com a alma um pouco menos vazia. Valeu cada minutinho que passei com o meu sobrinho. Valeu tanto que tinha de ficar escrito.
Sei que quando fechar os olhos para dormir vou vê-lo a sorrir. O meu anjinho.

Comentários

  1. Olá Alice. Finalmente tive um bocadinho para vir a este teu cantinho. Fico muito contente que as férias tenham sido tão boas, pena que o regresso ao trabakho não te tenha trazido alegrias, antes pelo contrário.

    É bom ver o amor que tens a este teu sobrinho. Digo ver porque as tuas palavras são tão sentidas, tão emocionadas que se consegue visualizar esse amor.

    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  2. Carla,

    Olá!

    Sim as férias foram tão boas que já gostava de ir outra vez. O trabalho é, neste momento, aquilo que é possível ter...

    O amor ao meu sobrinho vai crescendo todos os dias. E sei que ele também gosta muito de mim. Não me larga, quer que vá com ele a todo o lado, que brinque com ele e lhe conte histórias. Adoro-o. Muito
    Quando comecei a desejar ter um filho, já se passaram alguns anos, já tinha escolhido um nome para lhe dar se fosse rapaz. O meu sobrinho nasceu, e foi o mesmo nome que eu gostaria de dar a um filho que foi dado ao meu sobrinho. Tem nome de anjo.

    Beijo grande

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…