Avançar para o conteúdo principal

Testes de resistência

Sente-se um sabor, entre amargo e doce, ao entrar numa loja conhecida de roupa para bebé (e brinquedos).

A convite da minha cunhada, rumámos ao shopping, para comprar umas coisinhas para recém nascidos. Passei o tempo todo de olho no sobrinho enquanto a minha cunhada escolhia o que pretendia. Certo é, que devo ter ter dado uma dezena de voltas atrás do pimpolho que queria brincar com tudo e não parava quieto. E, por coincidência, estava a decorrer um curso de preparação para mães sem simultâneo. Entravam e saíam grávidas aos magotes, outras surgiam com bebés nos carrinhos, e tive oportunidade ainda de me deparar com um par de gémeos falsos, a quem o meu sobrinho quis beijocar e dar miminhos.

gosto muito de crianças, e percebo a  reciprocidade neste sentimento, mas em dias que o nosso desejo parece tão difícil de acontecer, a dor teima em  alastrar para lugares tão estranhos da alma. A dor contamina muito mais rápido do que a alegria, em dias que tudo parece estar longe do nosso alcance. E, nem sempre é possível controlar umas quantas lágrimas.

Comentários

  1. Dear Daisy,

    Nada a dizer, não é?

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Hoje falta menos um dia que ontem Alice...
    Segura-te nessas situações, não te deixes cair, elas não te mostram o que não tens, apenas te mostram aquilo que VAIS ter ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]