Avançar para o conteúdo principal

tratamento "estranho"

Faz-me uma confusão tremenda os namorados/casados/ em união de facto tratarem-se por  'mor.
Continuo a achar que a música soa bem melhor quando as pessoas se tratam pelo nome próprio.
São gostos (ou hábitos)...


Comentários

  1. belle,

    Pois são. Este caberia naquela tua etiqueta: coisas que elas e eles fazem que eu não gosto.

    ResponderEliminar
  2. LOL
    Ainda por cima essa do mor(i) faz-me sempre lembrar uma piada de loiras.
    ah ah ah ah ah ah

    (ontem fui à Praça do Peixe, que está completamente diferente do que era, benzadeus, comer uma tripa... soube-me pela vida)

    ResponderEliminar
  3. o "mori" deve ser mais em sítios de pescadores... lol.Embora more relativamente perto do mar, não ouço nessa entoação, mas sim o tal 'mor.

    Sim, a Praça está diferente, mas eu fui de dia. De noite, a diferença deve ser significativa e com as férias há menos gente.

    Ora viste, é só querermos e as coisas acontecem; sabem-nos como se fosse o mais doce dos manjares.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Está diferente porque finalmente apostaram em atrair um público mais adulto. Estive lá ontem à noite e estava cheio, de turistas, de famílias. Estive hoje à tarde e igual. Parece-me que os tempos em que era só adolescentes com as hormonas aos saltos passaram. Pelo menos tenho notado isso. E o que me tirava de frequentar aquele espaço era a juventude precoce e histérica, com os copos e outras cenas...
    A tripa que comi foi das novidades: snickers ice cream. Fenomenal!!!!! :D

    ResponderEliminar
  5. Estou a ver que até as tripas tiveram que sofrer inovação para cativar mais gente.

    Aveiro é uma cidade em constante mutação. Quando fui para aí, ainda não existia o forum, a não ser no papel. O Oita ainda funcionava para ir ao cinema.
    Os estudantes fizeram crescer a cidade, evoluir. E a população em geral parece ter querido acompanhar quem vem e se apaixona pela cidade. Será sempre a minha cidade do coração,por muitas razões.

    ResponderEliminar
  6. Eu sou daquelas que trata o esposo por Amor (e vice versa). Com A. ;) O nome próprio só é usado em situações formais ou quando estou chateada!

    ResponderEliminar
  7. eu,

    isso é carinhoso. Amor com A, agora 'mor ou mori (ou bebé, que não falei) parece-me um pouco "estranho".

    e olha que as pessoas a quem ouço o 'mor não se inibem de usar a palavra seja à frente de quem for.

    Achei graça que o chamavas pelo nome próprio quando te zangas. é a tua bandeira de guerra. ;)

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]