Avançar para o conteúdo principal

A algumas pessoas que me visitam e perguntam





Quando comecei a escrever este blogue, foi para pôr algumas coisas no lugar onde deveriam estar. Sobre o assunto que vou escrever de seguida, haverá muita gente a que não passará da terceira ou quarta linha. Compreendo isso, porque só quem passa por um problema sabe o quanto custa ultrapassa-lo, seja ele qual for.

Já tive pessoas, nos bastidores do blogue, a perguntarem-me como consigo falar de infertilidade, quando o assunto ainda é tabu na sociedade. Como posso afirmar ter um problema quando a sociedade ainda continua a associar a infertilidade a castigo de Deus?

Falar do problema, ajuda. Escrever sobre o problema, ajuda. Sem isso, não conseguiremos relativiza-lo. Pode cansar os que lêem isso por aqui. Digamos que é a minha forma de aliviar a minha carga. De deitar cá para fora e, por mais algum tempo, não pensar no assunto. E de ajudar quem enfrenta o problema, a não se sentir só. Enquanto o negarmos a nós próprios, vamos martirizar-nos. para isso já basta aquilo que nem sempre conseguimos combater, como disse aqui.

Depois deste preâmbulo já longo, quero dizer a cada casal que enfrenta a jornada da infertilidade que não se sintam sós. procurem ajuda. Quem sabe vencerão e  serão mais felizes.

Para corroborar as palavras que venho dizendo a quem me contacta, gostariaa que lessem Para ter filhos não basta querer. Define bem todos os sentimentos que se abeiraram de nós e nos consomem. O texto fala por si só.

Obrigada pela partilha, 4D.






Comentários

  1. Não aborrece nada, e se podemos ajudar a "ouvir" tuas palavras, e a deixar as nossas palavras de conforto.... cá estarei... Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Pois eu louvo-te e aplaudo de pé a tua coragem de expores os teus medos e anseios, as dificuldades e tristezas, mas acima de tudo mostrares que não é culpa de ninguém, que há que tentar e tentar e ir até onde se puder ir para realizar um sonho ou projeto de vida. E porque dás voz a tantas que passam pelo mesmo drama e vivem num silêncio demolidor numa vergonha e culpa que jamais deveriam sentir.
    E eu torço, mesmo muito, para que a tua luta dê frutos e seja exemplo a tantas outras que temem arriscar.
    Tudo de bom para ti!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Há que falar sobre estes assuntos, há que esclarecer, serve de entre-ajuda a partilha e serve mesmo para quebrar tabus que já nem deviam sequer existir.

    O debate da infertilidade permite a evolução da sociedade em geral, mas permite, a quem sofre, de não se sentir só, de ganhar esperança, de descobrir caminhos, de debravar terreno para alcançar aquilo que parece tão simples como ter um filho. Escrever sobre isso é um apoio, uma bengala que ninguem vê mas que de alguma forma nos segura.

    Um beijo grande e uma caminhada curta é o que posso te desejar.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  4. É um excelente texto. E quanto a ti, fazes muito bem em falar. Enquanto te apetecer falar, ouvirei, de bom grado. E as tuas palavras ajudam mesmo quem passa pelo mesmo a sentir-se menos sozinha nesta viagem. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Ola Alice, Eu sou a Patricia do texto do testemunho na 4D .... e queria so deixar um beijinho de forca para ti e todas as outras que tanto sofrem com esta realidade!! e para que enquanto houver um resticio de esperança, para acreditarem, para procurarem alternativas, para nao se conformarem com os primeiros diagnósticos médicos, etc... até que todas as hipóteses estejam de facto exploradas,... e nao dar ouvido a toda a gente que se mete sem lhe ser pedido, da conselhos indesejados, quando no fundo so se precisa de um ouvido, de compreensão,.... beijinho grande

    ResponderEliminar
  6. Tu não tens fb, mas eu digo-te que a 4D referiu o teu blog no fb dela:)
    É giro isto!

    quanto ao tema do post dela, também fiquei sensibilizada e acho que fazes bem em falar do que te preocupa, pelo menos não te sentes tão sozinha!

    Um grande beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Ana,

    Sei que, quando os assuntos se tornam repetitivos, chateiam. Este é um assunto que pouca gente entende e muita gente sofre. Ao ler o texto da 4D, achei que devia fazer sentir a todas as pessoas que passam pelo problema que não se fechem. Escrevem sob um pseudónimo, escrevam sob a forma de carta, participem num fórum sobre o assunto, mas não se martirizem-

    Este era um testemunho que eu necessitava que muita gente conhecesse. mesmo tornando-me repetitivo.

    obrigada pelas tuas palavras, és uma querida.


    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Raiozinho,

    Eu não sou assim tão corajosa, mas tento combater a dor que cá vai dentro, escrevendo.
    Tenho pena que nem toda a gente consiga expor este problema. tenho pena também que haja casais a culparem-se um ao outro pela situação.

    Obrigada pelas palavras

    Bjs

    ResponderEliminar
  9. S.o.l.,

    Disseste tudo. É assim que eu também penso.

    Obrigada pelas palavras.

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. eu,

    és tão querida. obrigada pelas tuas palavras. espero que chegues ao teu objectivo depressa.

    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Patrícia,

    Tu, com o teu testemunho, foste uma fonte de inspiração para o meu post, que é tão pobre ao pé do teu testemunho.

    Não sou navegadora de primeira água nisto das tentativas /soluções para o problema. Já consultei vários médicos, já recorri a medicinas alternativas. Já quase me resignei. Talvez um dia aconteça, se tiver de acontecer.

    Muito obrigada pela tua partilha, pelo teu testemunho e pelo teu comentário.

    bjs e felicidades.

    ResponderEliminar
  12. B. Cérise,

    Obrigada pela partilha da notícia do FB ;). Quanta honra.

    E sim, partilhar a nossa carga com os outros, torna o fardo menos pesado.

    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Não percebo o porquê de algumas pessoas terem tanta dificuldade em falarem desta questão. Acho que a partilha de sentimentos, de opiniões tende a aliviar o fardo tão pesado que tantos casais carregam...

    Um beijo grande e acredita que não cansas ninguém com as tuas palavras.

    ResponderEliminar
  14. Infertilidade = castigo de Deus?!?!
    Até fico assustada de saber que há AINDA quem pense assim.
    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Alice, fiquei com um nó cá dentro ao ler as tuas palavras. Sinceras e sofridas. Transmitem muita coisa! Que um dia realizes o teu sonho de ser mãe! Um beijo com carinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]