Avançar para o conteúdo principal

Ao meu menino


Google Images

Lembro-me do vestido azul escuro, com bolinhas azuis claras, – a lembrar bolas de sabão - que a minha mãe trazia no corpo. Outubro. Um mês inexplicavelmente quente nesse ano. Lembro-me que se abraçou à barriga proeminente, sentindo mais fortes as contracções que tinham começado durante a noite. Eu senti, na minha pequenez de idade e altura, que finalmente ia acontecer.


Lembro-me que o meu pai foi, a correr, chamar o taxista da terra, para a levar à maternidade. O Renault 5, só apareceria dois anos mais tarde, lá por casa. A minha mãe terminou de fazer a cama. Lembro-me da colcha cor-de-vinho da cama e do desconforto espelhado na cara.

Na euforia do momento, lá seguimos para a maternidade. Ainda me lembro que não queria largar a mão da minha mãe, quando entrou para a sala de partos. Lembro-me dela tirar da mala o cobertor azul, novinho em folha, que eu vira comprar uns meses antes. Tantos anos já passaram, e o cobertor foi preservado como uma relíquia, e já mudou de casa, mas dono continua o mesmo. Agora já está grande demais para se embrulhar nele, como da primeira vez.

E, às quatro da tarde, com quase quatro quilos, lá nasceu uma das pessoas que mais amo. O meu irmão. Foi talvez uns dos momentos mais felizes da minha vida. Lembro-me de, meses antes, ver a barriga da minha mãe crescer e lhe perguntar, quando é que vou ter um irmão? Não eram vulgares as ecografias naquele tempo, mas disse-me a intuição, que seria um menino. E eu sempre quis que fosse um rapaz. Não sei porquê, mas quis… E ainda hoje é o menino. É assim que o tratamos. Onde está o menino? O menino veio cá? O menino disse-te alguma coisa? entre mim e os meus pais, nunca usamos o seu nome; será sempre o menino. O meu menino[mesmo já tendo ele sido pai].


Este texto é uma reedição. E merece ser reeditado todos os anos pelo imenso amor que tenho ao meu irmão. No ano passado, o aniversário dele foi marcado por uma eventual gravidez minha, caso o tratamento tivesse resultado. Serão duas datas que nunca irei esquecer, por razões diferentes. Lembro-me dele ter dito que seria o melhor presente do seu aniversário se acontecesse. Não aconteceu. A vida não é como queremos que seja, mas tenho a felicidade de, neste dia, há muitos anos atrás ter tido outro menino, o meu irmão.

Comentários

  1. Sensibilizaste-me com o teu texto. Espero que consigas atingir o teu grande objectivo e que o amor pelo teu irmão se mantenha intacto até ao fim.

    ResponderEliminar
  2. Lindo, lindo. Não há outra palavra.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Passei aqui por acaso. Como ser humano e como pai, quero dar-lhe os parabéns pela suave beleza do texto e a maior força, para que consiga alacançar esse objectivo enquanto mulher, o de ser Mãe.
    Acredite, sempre.
    Um abraço solidário.

    ResponderEliminar
  4. Que texto maravilhoso :)

    PS - Revejo-me imenso no que li... Lá em casa também tratamos por menino o meu mano ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Wendy,

    Sê bem-vinda!

    Obrigada pelas tuas palavras.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Uba,

    Obrigada. O amor por um irmão é incondicional. tal como o teu pelo teu filho.

    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Sereno,

    Obrigada pelas suas palavras. São de força, acredite.

    um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Sara,

    Obrigada pelas tuas palavras.

    Temos mais esta similaridade.:)

    bjs

    ResponderEliminar
  9. LINDO.
    adorei o texto, o amor pelo mano.

    ResponderEliminar
  10. Talvez por também ter um menino-mano... este texto até me emocionou...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]