Avançar para o conteúdo principal

a modos que é assim

Estou cheia de vontade que o dia acabe. Hoje é dia de dança.
Tem-me feito bem à alma, ao espírito e ao ego. Apesar de me rir mais do que dançar- e acabo por fazer toda a gente rir também - estou a gostar imenso.Tem sido uma experiência muito gira, que ajuda a soltar-me. Os pés já não são de chumbo, mas ainda não cheguei à fase de parecerem leves como uma pena. Ao contrário do ginásio, a dança é tudo, menos monótona. Bem, as músicas deixam um pouco a desejar, mas é o que há. Aprende-se a ter tolerância a alguma pimbalhada. Conta a diversão.

Agora somos mais que nas primeiras aulas. Há pessoas de quase todas as idades e motivações para dançar. Há pessoas que vão para aprender, fazer exercício e divertir-se - como é o meu caso (encontrei lá uma velha conhecida do tempo do liceu, que também vai ao mesmo). Depois há os que querem perder a timidez, outros disfrutar da dança, e os que querem usar a dança fora das aulas como a forma mais fácil de conhecer alguém, para relação futura. E por último, os que querem um engate de momento logo ali no salão de dança. Estes últimos percebem-se a quilómetros de distância.

Há casais, há solteiros e divorciados. O número de homens é bastante mais expressivo que o das mulheres. Os divórcios parecem ser a razão principal para os homens voltarem a conhecer mulheres através da dança. Contaram-me isso, como caso pessoal. Não sabiam dançar, nem quiseram saber,  enquanto foram casados. Esta foi a primeira das opções para voltar ao activo, após um casamento falhado.
Em suma, depois de um divórcio, as mulheres mudam de visual, os homens aprendem a dançar. O objectivo é o mesmo.

É tão engraçado quando peço uma pausa a um dos meus pares para descanso, e fico a observar o comportamento humano.
[uma aliança no dedo anelar esquerdo vai-me salvando de alguns piropos mais atrevidos. ;) Soa a convencida? olhem que não!]

Comentários

  1. Faz bem ao ego Alice (os piropos) :)


    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que te estás a divertir. Deve ser uma experiência engraçada, pelo lado mais humano da coisa! Abraços, Eu.

    ResponderEliminar
  3. S.o.l,

    É verdade ;)

    Custa admitir, mas é verdade. Mas a dança também faz bem ao ego. Significa que vamos superando obstáculos e isso é notório quando estamos de boa vontade.

    beijinho

    ResponderEliminar
  4. eu,

    estou a divertir-me muito mesmo. estou a tentar arrastar o marido para lá, embora ela saiba dançar (muito bem), mas a dois ainda será uma experiência mais divertida. Estreita laços.

    Experimenta e vais ver que gostarás (acho eu...)

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Fico muito contente por estares a gostar dessa nova atividade tão mexida e divertida. E apesar de o marido já saber dançar, se forem os dois, será muito mais divertido:)

    E concordo com essa teoria de que depois de um divórcio, as mulheres mudam de visual. E normalmente para muito melhor.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. B. Cérise,

      Estou a adorar. Divito-me imenso e ainda perco umas calorias. vamos ver se consigo convencer o marido quando eu já não fizer má figura.

      E olha que quanto ao visual, ontem pude constatar que os homens também se preocupam com o aspecto face a um eventual divórcio. Não é tão notório quanto as mulheres, mas acontece.

      beijinho

      Eliminar
  6. Engraçado, nunca tinha pensado nisso. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uba,

      acredita que as coisas são mesmo assim. E cada vez tenho mais provas disso.

      Bjs

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]