Avançar para o conteúdo principal

chá, café e coisinhas doces




     [a minha caneca, oferta do marido :)]



Quando passamos grande parte da nossa vida no emprego, o ideal será que nos sintamos lá  bem. Sei bem que a maior parte das pessoas não aprecia o trabalho que tem. Eu, posso confessar, já passei por fases alternadas entre o gosto e não gosto. Quanto tinha mais trabalho de campo, apreciava mais. Adorava o que as pessoas me contavam, os problemas que apresentavam e o carácter que demonstravam face aos outros. Quando quase deixei de fazer esse trabalho, ressenti-me. Hoje em dia, tento que, já que cá tenho de estar todo o dia, então que não me sinta infeliz.
Desde que vim para cá e por graça, passei, de vez em quando, a trazer umas coisinhas doces, feitas em casa. Ao princípio, perguntava-se quem tinha feito anos. Agora perguntam-me quando volto a trazer umas coisinhas para degustarem. [o meu ego também tem ficado mais cheio à conta disso].

Na segunda, acabei por trazer uns biscoitos acabadinhos de fazer [o patrão proibiu de fazer mais ou a balança queixa-se]. A ideia era trazer também o jarro eléctrico, chávenas e chás, mas as manhãs são curtas para o muito que gostaria de fazer. Na terça alguém pegou nessa ideia e ficámos apenas de trazer a chávena. Há máquina onde nos podemos servir de bebidas e algumas comidas, mas isto assim é outra coisa

A ideia foi tão bem-vinda que, agora, há quem se lembre de acrescentar mais um chá aos que já temos, e trazer uma coisa doce para acompanhar. Ainda que não seja caseira, ninguém resiste a petiscar. [segundo os outros, os meus docinhos continuam no topo das preferências. cof...cof...cof]

Às vezes, são as coisas mais simples que fazem o nosso emprego parecer um pouco menos desconfortável. Podem faltar outras coisas (um salário melhorzito dava jeito, mas bom ambiente é o que não falta. E o salário ao fim do mês também continua a ser sagrado.


Comentários

  1. Tens toda a razão. Deste-me uma bela ideia. :)
    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Sempre acreditei que um bom ambiente é meio caminho andado para que o dia de trabalho corra melhor. E são coisas como estas que escreves que contribuem para esse bom ambiente.

    Beijo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]