Avançar para o conteúdo principal

o que eles querem é abraços e beijinhos

Hoje estive a contabilizar as aulas de dança.  São cinco as que tenho nestes pés, faltam mais cinco para a findar a primeira tranche. Mas vou continuar porque me divirto à brava. Aparte estas contabilidades, já estou em condições de alinhavar umas quantas coisas que vou observando. Ainda não estou apta para abrir nenhum baile de debutantes - até porque já não sou moça casadoira - mas a minha percepção está no compasso certo.

As aulas de dança, tal como disse aqui, servem muitos objectivos. O da possibilidade de engate é um deles. Pois bem, mais cedo do que eu esperava, já houve baixas.

Há homens que não percebem o quanto inconvenientes podem ser, e o que é um prazer- como a dança- pode passar a ser uma tortura. Às vezes, mesmo não tendo espaço de manobra, aventuram-se a levar um redondo "estás-me  a incomodar", assim, olhos nos olhos. Atrás disto virão outras menos agradáveis de ouvir (e de dizer). A propósito disso, uma das mulheres já desistiu das aulas, porque um dos homens nem lhe dava descanso que ela lhe ganhou asco. Anda a rapariga a tentar divertir-se e ele, quase com as letras todas, já lhe disse que gostava de valsear com ela noutros preparos.

Há homens que são tímidos, tão tímidos, mas tão tímidos... que se lhes dissesse que tinham a braguilha aberta, certamente teriam aberto um buraco no chão só com a vergonha.  Muitas vezes são as mulheres que os conduzem, em lugar se serem eles a fazê-lo. [confesso que gosto quando um homem sabe "conduzir" uma mulher nuna dança]
Depois há (alguns) casados, que não saem debaixo das saias das mulheres sob pena delas os porem a pão e água.

E resumindo tudo, poucos são os que vão para se divertir e cujo objectivo extravaze a necessidade disso mesmo.

Sobre as mulheres não há muito a dizer. Estamos basicamente para nos divertir (e umas quantas estão para controlar os respectivos maridos, e isto também tem a sua piada). E somos menos que eles.







Comentários

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)