Avançar para o conteúdo principal

cúmulo da parvoíce

(ou um bom barómetro do meu contentamento) é dar comigo, já passada a meia noite, a ensaiar (ou tentar) os passos de kizomba dentro da banheira  (é espaçosa), depois de duas horas de aula de dança. E kizomba não é a minha  dança preferida!

Dançar é mesmo bom a valer. Limpa qualquer réstia de tristeza. 


Comentários

  1. Alice ...
    Quanto te leio a respeito da dança ... fico com uma vontade imensa de ir aprender a dançar :)
    Um bom dia para ti e um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Ângela,

      Aplaudo a ideia de ires aprender. Aquilo é melhor que ginásio. Mil vezes melhor. Junta-se a diversão ao exercício físico. Aposto que tu, à conta das caminhadas, tens uma boas perninhas para aguentar qualquer dança.

      Tenho imensa pena de não ter ido aprender mais cedo. Se calhar também não me divirtiria como me divirto.

      Recomendo vivamente. Apetece andar sempre a dançar; está-se sozinha e tenta-se relembrar os passos e experimenta-se a ver se não esquece. e a alma fica tão leve.

      Pensa lá no assunto. Não te irás arrepender.

      beijinho e bom dia (espero que estejas melhorzita)

      Eliminar
  2. Não é parvoíce nenhuma... Vou-te confessar uma coisa: às vezes à noite, quando a casa já está em silêncio, na cozinha (tenho espaço para isso), acendo a televisão num canal de música e ponho-me a dançar como se fosse o último dia da minha vida. Solto todas as minhas lamentações nessa dança e no fim sinto-me pronta a dormir o sono dos justos :)

    É libertador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. carla,

      Ainda bem que não pareço assim tão tolinha. E fico agradada que partilhes da minha opinião. A dança opera verdaeiros milagres no humor.Aconselho toda a gente a experimentar.

      E eu acho que se um casal gostar de dançar também cria laços de afectividade ainda maiores.

      Beijinho

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)