Avançar para o conteúdo principal

por aqui, está-se a fechar o mês e o ano

Costumo saber organizar-me melhor, escrevendo; contudo, isto tem sido dífícil de escrever, talvez por já estar organizada mentalmente.

Não vou negar que este ano - e todos os outros- a única pessoa a quem faltaram cumprir promessas feitas foi a mim. Sou pródiga nisso, em aldrabar-me  a mim própria. Fiz isso em alguns objectivos que tinha traçado para 2012, sempre na  forma de promessa. Não mudei de emprego - mas as coisas melhoraram (e este mês tive uma surpresa bem jeitosa); não perdi o peso desejado (com um número objectivo de quilogramas a perder por mês), mas também não engordei; quase nunca saí mais cedo do trabalho, mas fi-lo algumas vezes. E outras coisas mais.
No entanto, tive coisas muito boas, já que este ano li mais que o previsto - e 2013 já pode ter um objectivo quantitativo. Fui aprender a dançar - uma das melhores decisões de 2012- para continuar em 2013. Aprendi a ser mais tolerante, paciente, e a falar mais do que me consome por dentro. Tive uma das grandes conversas da minha vida, que me fez ver que era obrigatório voltar a ser quem fui.
Reaprendi a ser mais positiva, mais optimista. E esta também foi uma grande lição.
Conheci pessoas novas que pretendo manter em 2013 e, preferencialmente para o resto da vida. Quero conhecer mais, sair da minha casca, e aproveitar a vida.
Há mais objectivos que pouco interessa falar aqui, para não tornar este texto ainda mais aborrecido. Depois há O sonho, que ora acredito, ora perco a esperança. Para 2013, esperam-se desenvolvimentos ou a morte d' O Sonho. Vamos pensar que que a esperança vai continuar a existir. O pensamento quer-se positivo.

Quando um dia a tristeza nos entra pela vida dentro, não podemos deixar que ela por lá permaneça muito tempo. Principalmente quando temos tanto para sermos felizes, e é preciso tão pouco para a felicidade.
E como a vida é para ser bem vivida em todos os momentos, o importante a retirar de 2012 é que não podemos guardar tudo para o futuro, porque desse não sabemos se faremos parte pelos desígnios da vida.
Sou apologista que as pessoas devem ter o seu pé-de-meia para momentos menos bons, porque o dinheiro não é tudo, mas ajuda. Mas em coisas mais simples, não deixem de poupar. Não poupem em visitas a amigos, não guardem o melhor perfume para as ocasiões especiais, porque todos os momentos o são. Usem o vosso melhor vestido e regozigem-se ao espelho pela pessoa que são. Não guardem os melhores copos, a melhor toalha, a melhor louça para as grandes recepções, usem-no com a pessoa mais especial que conhecem. Convosco. creio que só assim, é possível que a vida seja vivida em pleno, no novo ano que se avizinha. Por muito que se diga que o ano venha a ser difícil, há que usar a imaginação e tentar ser feliz, com aquilo que sempre tivemos e que guardamos para o futuro. Com pouco se pode fazer muito, basta prometer a nós próprios e ter a capacidade de cumprir essa promessa.

Boas entradas em 2013. Saúde, prosperidade e felicidade são os meus votos para todos.



Comentários

  1. Bem verdade!! Não deixar para amanhã o gozo da felicidade! Obrigado!! ***

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Alice.

    Saúde, Paz e muitos Sorrisos para 2013.

    Um beijo grande :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla,

      Tudo isso e tudo o que mais há de bom.

      Beijinho e Bom 2013

      Eliminar
  3. Gostei tanto de te "ouvir" querida Alice!
    Que tenhamos um ano cheio de sorridos!!!

    ResponderEliminar
  4. Bom ano para ti Alice. Excelentes conselhos!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)