Avançar para o conteúdo principal

bons momentos

Acabei o ano de uma forma um pouco atribulada - preparar um jantar cá em casa para treze não é pêra doce mas valeu a pena. Obviamente que o pão acabadinho de cozer e chouriço caseiro, ambos obra da mãe contribuíram para o sucesso garantido da festa. Ter as pessoas de quem gostamos perto de nós vale sempre a pena. Recebi uma carta inesperada - colorida e com boas notícias - emocionou-me. Também inesperadamente conheci a voz de alguém com quem troco correspondência virtual há bastante tempo. A surpresa foi tal que fiquei meia sem jeito. Gostei muito da voz, denotei ainda mais meiguice que os textos que lhe leio e- perdoa-me, minha querida, mas tenho mesmo, mesmo de dizer isto- foi impossível não denotar o típico sotaque aveirense, que me é tão familiar e querido.
Quando temos motivos para estarmos felizes, não podemos permitir que maus presságios nos estraguem bons momentos.
Excelente 2013 para todos; aproveitem bem a vida, para nunca que haja arrependimentos de não o terem feito.

Comentários

  1. Beijinho grande querida Alice :)
    Um ano feliz!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dear Daisy,

      Um ano cheio de coisas boas e muitas, muitas felicidades também para ti. Bom ano 2013.

      Beijinho grande e coberto de muito carinho

      Eliminar
  2. Sotaque??!!!! EU??!!!!
    LOL
    Eu não troco os V's pelos B's, não digo que sou de Abeiro ;)
    Ok, acredito que haja sotaque, é normal, mas sempre acho que não é assim tão acentuado. Pelos vistos, nota-se.
    Olha que eu também estava assim meia sem jeito, ainda mais estava no trabalho, sim na hora de almoço, mas a adiantar serviço, e estava naquela que a qualquer momento aparecia alguém e eu detesto espetadores quando estou ao telefone, principalmente conversas de foro privado.
    E pronto, da escrita passámos à voz, e a tua é tão cristalina, tão meiga, tão doce... olha pronto, a seguir é uns biscoitinhos em Abeiro ;)
    Bom ano 2013 minha doce Alice!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raiozinho,

      Não falo das trocas de "v" por "b". Isso não fazes e o sotaque que notei é tão subtil que pouca gente nota. Nas pessoas de Águeda é um nota-se mais um pouco, embora continue a passar despercebida a muita gente. As pessoas em Aveiro e Arredores (nos arredores mais) têm o hábito de pegar a consoante de uma palavra à vogal da palavra seguinte. É inconsciente. Experimenta dizer maria dos anjos e verifica se não dizes "maria dos'anjos". Agora ao experimentares, não o vás fazer, mas inconscientemente vai acontecer. Isso não tem nada de mal. Tu, com formação em linguas sabes bem que isto não tem nada de mal. Os sotaques caracterizam regiões e as pessoas não se devem ofender por os outrso repararem nisso. Quando fui estudar, como lidava muito com gente do Norte, deixei de dizer: senta-te aqui comigo ou ao pé de mim e passei a dizer: Senta-te aqui à minha beira. Acho o máximo à expressão. As pessoas não devem envergonhar-se do seu sotaque. Ele é a marca da região, tal como o folclore ou a gastronomia.
      Uma das coisas que mais confusão me fazia em Aveiro era as pessoas chamarem neve à geada. Imagina uma manhã dizerem-me. Isto é neve que está a cair. E eu, cá para mim: Não sabia que era típico cair neve em Aveiro, nunca tal tinha ouvido... Depois descobri que era geada. LOL

      A conversa foi mesmo uma grande surpresa. De verdade. Raramente as pessoas conseguem esconder-me uma surpresa, porque há sempre alguma pequena coisa que as denuncia; mas desta vez conseguiste mesmo surpreender-me. Não esperava nada.

      Gostei muito da surpresa. Quanto à voz cristalina,é pah, sou uma bocadito pro fanhosa segundo dizem. :) E apanhaste-me tão de surpresa que fiquei mesmo sem jeito.

      Sim, deixa cá ter o dispara biscoitos (ainda estou de robe, tenho de ir aos Correios :)), que isto de ir a Aveiro levar uns biscoitos já esteve mais longe. :)

      Bom Ano para ti Raiozinho, com tudo de bom!

      Eliminar
  3. LOL
    Eu adoro sotaques :)
    E o beirão é mais acentuado para o interior, daí dizeres que em Águeda se nota mais.
    Por ser de cá não consigo perceber o dito sotaque aveirense. Há uma ou outra característica que o denuncia: a famosa troca de V's pelos B's, o vem para a minha beira (por acaso nunca disse isso, mas digo ao pé, e noutros pontos do país este ao pé não é muito usado). H+á quem dia que os aveirenses criam hiatos, por exemplo dizem "a iágua" em vez de "a água". Ainda assim, velhotes lá da aldeia dizem mesmo auga e vamos com sorte :) e a Cambra, em vez de Câmara. LOL
    Adorei estudar fonética. Era uma cadeira demoníaca para a maioria das pessoas e eu adorei. Porque dava para perceber de um ponto de vista mais técnico, todas essas variações no falar. E as expressões regionais?! Adoro!!
    Mas é sempre estranho dizer-me: tens sotaque. What?? LOOOL desde que não seja aquele sotaque do Douro, tá-se bem ;)
    Ai que inveja, quem me dera uns dias de férias para repor energias. Mas não me posso esquecer que há precisamente um ano atrás entrava num novo ano sem trabalho e sem perspectivas do que quer que fosse. Não esquecer por onde já passamos para valorizar o que temos.
    Bjinhos e eu também vou ver se este fim de semana estreio o rolo e os moldes de biscoitos. Ainda fazemos uma troca a ver quais são os melhores ;)

    P.S. Há duas semanas andei pelos teus lados. Mesmo no centro da cidade. Fui a uma reunião seguida de almoço com o departamento. Deu-me pena ver aquele monumento ao abandono, entregue ao mato. Que pena Portugal não valorizar o imenso e rico património histórico que tem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A troca dos V pelos B, é mais notória nuns sítios que noutros. Como vivi praticamente no centro da cidade não notei tanto isso.Mas existia. O "vem para a minha beira" é muito típico do Porto; com amigas dessa zona do país e o facto de gostar da expressão, acabei por a adoptar.
      Isso que falaste, os hiatos, - não sabia que se chamavam assim, já aprendi uma coisa hoje, mesmo ainda estando na cama e de robe. LOL - também notei que os aveirenses tinham. Normalmente nós nunca denotamos o sotaque que temos. Durante muito tempo, depois de sair daí, as pessoas teimavam que eu tinha sotaque daí, e eu dizia que não tinha.

      Há coisas que são mesmo sotaque, há outras que as pessoas dizem mal por não terem aprendido bem. O meu sobrinho aprendeu a dizer que tinha um dedo "miminho" porque a minha mãe lhe disse isso em lugar de dizer que é um dedo "mindinho". E ele teima que será mindinho porque a avó Mila o ensinou assim. Acontece o mesmo com o exemplo da Câmara que referiste. O facto das pessoas ouvirem e entenderem mal, leva a que falem assim. Afinal,a língua aprende-se com os que nos ensinam, e as calinadas também.

      Por aqui são dias de férias mas não são. Não posso deixar de ter o Pc ligado, nem deixar de coordenar a miúda que ficou a fazer o meu lugar. mas pelo menos posso estar aqui por casa e que bem que me sabe, apesar de todas as arrumações que tive de fazer.

      Vou esperar por essas fotografias de biscoitos. Eu vou também tentar ver se me desenrasco com o dispara biscoitos, ou se também tenho de assumir azelhice. Vejamos se tenho jeito para lidar com o bicho.

      Beijinho

      PS - Vieste cá e não disseste nada? Se te referes ao Castelo, a ideia acho que é um pouco ter a Mata envolvente mas não sei se será mais do que um simples espaço verde ou resultado de incúria

      Eliminar
  4. Desculpa, o castelo está engolido pela mata e vegetação. Aquilo de jardim ou mata controlada envolvente tem muito pouco. E fiquei mesmo triste perante aquela visão.
    O rei deve estar a dar voltas no túmulo.
    Oh, não podia dizer nada, foi durante a semana e em contexto de trabalho. Ia à boleia de colegas de trabalho.
    Mas fomos a um restaurante lindo e onde se comeu mt bem. Principalmente quando era o chefe a pagar :)
    Bjinhos... bem gostaria de estar de pijama e roupão em casa, mesmo que tivesse de estar com o pc no colo a trabalhar no sofá :)

    ResponderEliminar
  5. Gosto de cor, o que hei de fazer :)? comprei há tempo uma embalagem de canetas, cada uma de sua nação e as minhas alunas adoram e eu fico feliz por dar ainda mais cor às palavras, principalmente a todas as que não são de trabalho!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. B. Cérise,

      Ora não tem nada de mal gostar de cor. A vida não é a preto e branco. Fazes tu muito bem.

      Beijinho

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …