Avançar para o conteúdo principal

coisas cá dos colegas

Temos um colega que, raramente, está cá na empresa (e quando está é à hora de almoço para mexericar nos nossos papéis, gavetas ... enfim, o que tiver tempo). Portanto, os numerosos contactos que vamos fazendo com ele são por telefone. É uma verdadeira odisseia tentar perceber (exactamente) o que quer. Começa  a falar do assunto que motiva o telefonema, ainda antes de atendermos o telefone. Já ele passou os dados mais importantes e nós ficamos a ver navios. Agora não sei se o pior é ele falar tão depressa ou se é desligar a chamada antes que possamos perguntar seja o que fôr.

Se alguma empresa de marketing o quiser, para rematar aqueles anúncios em que o locutor tem de ler rapidamente as letras pequeninas, ele é capaz de ser útil.

Comentários

  1. vais adorar a hidro, eu tb nao tinha grande vontade de ir, agora nao passo sem ir, pk preciso, mas gosto muito ;)
    bj e bom fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anita,

      Vamos lá ver. é mais uma questão de saúde do que prazer. Estou a tentar aliar as duas. Adoro água e se pudesse, estaria sempre dentro de água (custa-me tanto sair do duche... muito mais do que sair da cama, de manhã)

      beijinho e bom fds

      Eliminar
  2. às tantas o segredo é nem sequer atender a chamada quando vier da parte dele :P

    beijinhos :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faríamos isso de boa vontade, mas não pode ser. O trabalho dele depende do nosso e vice-versa. Mas se usasse mail, sentir-me-ia muito melhor. Ele é tão aldrabão- ai se soubesses ias ficar de queixo caído - que um email pode salvar-nos as costas e as orelhas. è mais fácil confrontá-lo com aquilo que ele próprio escreveu, do que com aquilo que ele disse por telefone. E salvamos a nossa pele.

      Bom fim-de-semana

      Eliminar
  3. ahahahahahahahhahahha
    Mas esses são tramados, depois podem dizer que não se fez como ele queria... coisa e tal... eu tentava ter tudo por escrito...
    Mas nem sempre era possível :S

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Candybabe,

      Nem sempre (ou quase nunca) é possível que ele ponha por escrito as situações difíceis.

      Como já me envolvi em tanta polémica com ele, tal como já aconteceu também a outros colegas, quando falo com ele e fica acertada uma determinada coisa, mando-lhe mail a dizer: tal como acertado consigo, bla bla bla.

      Assim, fica registado oq ue foi dito. Se ele não diz nada, a mensagem ficou clara entre os dois. Se não, teve oportunidade de corrigir e não o fez por que não quis.

      Sabes, temos de saber viver... mas com ele «, é tão difícil...


      Bjs e bom fim-de-semana

      Eliminar
  4. Obrigada, mas dispenso :)

    Já tenho a minha quota parte por aqui :))
    Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]