Avançar para o conteúdo principal

coisas de pai

Podia falar muita coisa sobre o meu pai. Temos feitios idênticos e o cúmulo da perfeição capaz de infernizar a vida dos mais desleixados. Assumo que isso é um binómio defeito/qualidade.

O meu pai nunca teve oportunidade de estudar para além da quarta classe, mas sabe fazer contas como muito poucos ministros das finanças fazem. E sem a ajuda de calculadoras!

Foi com ele que comecei a fazer os algarismos e teimei com ele, vezes sem conta que a perna curta do 1 devia ser virada para a direita e não para a esquerda. Exasperou-se, não percebendo, que eu achava que o 1 não devia estar de costas para a direita. Quando comecei a ver que o 6 era um barrigudo para a direita ou que o 9 era o oposto com uma cabeça bem redonda para a esquerda, é que percebi que o 1 tinha o direito de ser feito como queria.
Obrigava-me a escrever as letras perfeitas e redondas em cima da linha; curiosamente, nunca escrevi num caderno de duas linhas. O meu mestre acharia que me safava bem na escrita.
Sei que gostava de apreciar a minha letra e raras não foram as vezes, já estava eu na universidade, em que me dava uma pequena reprimenda, dizendo que já escrevera melhor, com uma letra mais bonita. Hoje, acho que podia escrever melhor, mas escrevo tão pouco à mão... 
Os campeonatos de escrita que fazíamos baseavam-se em frases bonitas ; tínhamos de escrever a frase, em que cada palavra era desenhada sem levantar a caneta. Andávamos sempre a tentar descobrir se o outro tinha feito batota. era uma diversão e uma forma de treinar a caligrafia. A minha e a dele. No fim, soltávamos meia dúzia de gargalhadas e dávamos a coisa como empatada.

Voltei a experimentar por me ter lembrado destes episódios. Só para ver se ainda me saía bem [ e para me lembrar de coisas tão boas]

Comentários

  1. Sao poucas as recordações de infância com o meu pai, mas as que tenho são boasssss :)

    E viva o nosso papá right!

    Beijo risonho xxxx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulinha,

      Também não tenho muitas recordações, mas lembro-me bem disto.

      beijinho

      Eliminar
  2. A minha mãe também só tem a quarta classe e até ao dia do acidente, em que ficou semi-paralisada da mão direita, tinha uma letra de fazer inveja a qualquer um. Sempre admirei a sua caligrafia e dei por mim várias vezes a imitar a sua assinatura (sem qualquer má intenção, apenas por gostar muito da sua assinatura). E tal como o teu pai, faz contas melhor que muitos (dá lições aos netos :D).

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. carla,

      Já tinha lido coisas que escreveste sobre a tua mãe. é uma grande mulher! e estes pormenores que aqui descreveste são bons momentos no meio dos maus que sei que já passou. Daqueles que ficarão sempre na tua recordação.

      Beijinho

      Eliminar
  3. Gostei tanto da ternura deste texto! Também tenho recordações óptimas da minha infância com o meu pai!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mariposa Colorida,

      Sê bem-vinda! Obrigada pelas tuas palavras.

      é óptimo quando temos boas recordações da nossa infância, com os nossos pais.

      Obrigada pela visita

      beijinho

      Eliminar
  4. o meu pai é a minha grande referência. conseguiu a 4ª classe no ultramar e, à semelhança do teu pai, é uma calculadora ambulante. mas, mais do que isso é das pessoas mais justas e trabalhadoras que conheço ... um pilar essencial

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. brisa,

      sê bem-vinda

      Ora cá exemplo de outro grande homem. e nota-se que tens grande admiração por ele, e isso é maravilhoso. Tens um grande exemplo que te acompanhará pela vida fora.

      Obrigada pela visita.

      Beijinho

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…