Avançar para o conteúdo principal

aquilo que os outros acreditam

É sobejamente conhecido o ditado, dito muitas vezes em castelhano, nem sei bem porquê: no creo en brujas pero que las hay, las hay.
Não sou supersticiosa embora, às vezes, haja coisas que me possam fazer crer que há ali uma mão invisível. Seja para o Mal, seja para o Bem.
No sábado, quando estava na clínica, de volta das unhas, ia contando esta peripécia. A minha interlocutadora estava de boca aberta, entre o surpreendida e o assustada. Ela acabou depois por relatar um episódio semelhante, com um gato que se enfiou no motor do carro do namorado. Quando faz muito frio, eles podem fazer isso. Não pressentem o perigo a que estão sujeitos. Agem por instinto, procurando calor.
No fim de tudo chama-me a atenção por, no mesmo dia, se terem atravessado no meu caminho dois animais. Dizia ela que, quando temos animais em casa, eles são nossos protectores. Acrescentou ainda, que eles nos avisam de algo de mau que nos possa acontecer. Rematou, dizendo que deveria ir ver o carro, porque podia estar prestes a ter um acidente mais grave. Que isto seria um aviso.
Acredito que isto seja uma crença dela, apesar de já ontem, enquanto descíamos a serra, se atravessar uma galinha preta no nosso caminho, que quase ia sendo canja. Travão a fundo e um grande susto, já que o precepício esatava ali ao lado.  Já passámos ali tanta vez, e com galinhas e patos sempre soltos e nunca aconteceu uma situação destas. O carro não era o mesmo, e parece-me que este dado pode deitar por terra a teoria dela.

Começa a dar que pensar. Quero pensar que não passam de coincidências. Não me quero deixar influenciar pelas crenças dos outros. Ainda bem que já tinha a revisão do carro marcada antes de acontecer o acidente - a viatura está desde esta manhã na oficina para revisão e peritagem - ou quase me punha a magicar. Quase.


Nota: estou em falta com resposta a comentários e em desafios. A ver se a coisa acalma, para tentar responder tranquilamente a tudo.

Comentários

  1. Tenho passado algumas situações que me levaram a questionar se não haverá "alguma coisa que não domino" por trás delas. Que não consigo explicar de maneira minimamente plausível. Se há ou não, não sei. O que sei é que não podemos ficar presos a essas ditas "crenças", correndo o risco de ter receio de tudo e de todos ;)

    Beijinho e uma boa semana, Alice.

    ResponderEliminar
  2. Mas é um facto: que temos anjos da guarda lá isso temos :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)