sexta-feira, 15 de março de 2013

isto não é amor

Lá por casa apesar de, nem um nem outro ligar muito a coscuvilhices, não pudemos deixar de comentar acerca da situação um colega do marido, por ser fora do comum. Pelo menos nós não estamos familiarizados com ela.
Há uns tempos atrás fomos encontrá-lo com a namorada na altura, e pareciam um par normalíssimo - e atrevo-me até a chamá-los de apaixonados. Já viviam juntos, na casa dele. Pareciam fazer grandes planos para o futuro.
Há um par de meses deixou a namorada, está prestes a abandonar a sua própria casa e ir viver com a namorada nova.
Eles trabalham juntos, ele como empregado, ela como patroa. Ambos já foram casados. Ela dá-lhe tudo: carro, viagens, férias e até dinheiro. Ele parece não se importar nem um pouco com isso. Resta saber por quanto tempo! Atrás de tantas dádivas, vêm o dobro das exigências.
Ele, nos seus tempos livres, tem actividades em que ela não participa. Que ela já controla. Ele não pode estar com ninguém para além da hora que ela acha admíssivel. Muitas vezes, vai levá-lo e buscá-lo, para ele não passar mais que o tempo necessário com outros. Se ele tem jantares com amigos, ela de cinco em cinco minutos, telefona-lhe ou manda-lhe sms para saber onde está, com quem está e o que faz. O mais certo é, a curto prazo, ele ficar sem amigos: porque ela não quer, porque os amigos se fartaram.
Não sei como será quando ele realmente tomar a decisão de ir viver com ela.
Os amigos sentem-se sufocados porque ela quer mostrar-se sempre presente, e gozam-no. Ele encolhe os ombros e argumenta com tudo de bom - material - que ela já lhe deu e o que ainda estará prestes a receber.

Acho que não há coisa alguma que pague a nossa liberdade e a confiança nas relações. Não acredito que ele aguente muito tempo. Se depois acabarem, passa a estar outras coisas em risco como o emprego.
Mas ele lá saberá...

8 comentários:

  1. Antes, a homens assim, chamavam-lhes "gigollos" (acho que é assim que se escreve...), agora não sei. Pelo que contas foi o que me veio logo à ideia...

    Um beijo e bom fim-de-semana, Alice

    ResponderEliminar
  2. Bolas! Isso não vai durar muito tempo, tenho a certeza. Eu pelo menos não conseguia viver com alguém assim, não mesmo!

    ResponderEliminar
  3. Alice, tem mesmo que ser Amor, porque não estou a ver qual o interesse :)
    Desculpa, temos que brincar um pouco, certo?

    Agora a sério, nunca mas nunca me sujeitaria a situações assim. Controle total da minha vida em troca de presentes, dinheiro, carros.
    Nannnn, comigo não :)
    Gosto muito da minha pobreza e da minha liberdade :)

    Beijinho e Bom Fim de Semana :)

    ResponderEliminar
  4. São escolhas, mas dessas não costumam durar muito e por norma não acabam muito bem :S

    ResponderEliminar
  5. A vida é dele e por isso ele melhor que todos os outros, saberá o que quer...mas cheira-me que ele muito brevemente pagará o preço da escolha que fez...trocar tudo por uma vida de materialismo....? Nunca dá bom resultado....principalmente quando ele ficar sozinho e eventualmente doente e a precisar do apoio dos amigos...

    Beijinhos :3

    ResponderEliminar
  6. Nunca saberemos o que buscam as pessoas em determinadas relações. Quem sabe ele não privilegia mesmo isto de obedecer? Se calhar até vem de tendências de cama... :-S

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente há quem dê mais valor ao lado material do que ao resto... só ele é que sabe da vida dele, ou perde uma ou perde outra. Tudo dependerá das suas prioridades de vida!

    Um beijo docinho xxx

    ResponderEliminar

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)