Avançar para o conteúdo principal

não te armes em valentona, está bem?

Era impensável, há um ano atrás, conseguir encaixar no meu horário actividades como a dança e/ou a hidroginástica. Quando optei por ir para a dança, pensava que ia conseguir levar o marido também. Existe essa, agora pequenina, frustração de não o ter conseguido. No entanto, já não me sinto uma incapacitada total na dança. Tem-me feito bem ao espírito e ao corpo. Durante quatro horas por semana estou concentrada em aprender mais e mais, solto as más energias e sinto-me revigorada.

Por questões de saúde, foi-me sugerida a hidroginástica. Nem de propósito, consegui um horário pós-laboral que se ajustava à minha condição de trabalhadora a cem quilómetros de casa. Tenho-me sentido muito bem. Mais uma hora e meia em que a minha mente não se põe a magicar o que não deve, em que canalizo más energias e frustrações para actividades saudáveis. Sinto que a minha agilidade física tem melhorado de dia para dia. Tudo isto a preços muito simpáticos, felizmente.

Posto isto, e ainda antes da aula de ontem de hidroginástica, andava a magicar se não poderia regressar ao jogging também. A hora vai mudar; passaria a deitar-me mais cedo e a levantar ainda antes das seis da manhã - hora a que, habitualmente, me levanto - para uma corridinha matinal. Sei que exige uma grande força de vontade e tenho-me perguntado se serei capaz. Ando a treinar a mente. Contudo, depois de sair toda partidinha da aula de ontem de hidroginástica, assumo que, por muito que a mente já estivesse preparada para umas corridinhas, o corpo é capaz de não aceitar isso muito bem. Acho que correr não vai ser já em Abril. Andava a armar-me em valentona, mas parece-me que ainda é cedo para aventuras dessas.

Comentários

  1. Primeiro adapta-te à hidroginástica, depois passa à etapa seguinte. Convém apenas por um pé de cada vez, correndo o risco de te "espalhares ao comprido" :D

    Mas tenho a certeza lá chegarás. A força de vontade é meio caminho andando, o resto (a parte prática da coisa) a seu tempo conseguirás ;)

    ResponderEliminar
  2. Haja vontade,... haja vontade que o corpo acaba por querer também (✿◠‿◠)♥

    ResponderEliminar
  3. Tens de ir com calma. É bom que estejas tão receptiva a exercício físico mas não podes esquecer-te de cuidares de ti também. O teu lado espiritual, com meditação, ioga ou qualquer outra actividade que te permita relaxar, iria fazer-te muito bem. E ajudará também a libertares-te das energias menos boas. ^^

    ResponderEliminar
  4. Vai com alma Alice. Começa com uma caminhada, depois logo vês como te sentes. Força! :D

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]