Avançar para o conteúdo principal

os que fazem parte do que somos

Ontem uma amiga falava do seu avô que se encontra no hospital. Logo me lembrei do avô do meu coração. Os pais da minha mãe nunca nos foram muito chegados. Mas o pai e a madrasta do meu pai sempre fizeram parte da nossa vida. Nunca conheci a minha avó paterna, porque ela faleceu quando o meu pai tinha cinco anos. Dela herdei (eu e o meu irmão) o seu sobrenome. Em homenagem a ela, o meu pai resolveu dar-nos o apelido dela e não o seu. Somos os únicos netos que não temos o apelido do meu avô.
O meu avô era um excelente contador de histórias. Tinha uma memória fabulosa. Apenas sabia assinar o seu nome. Conhecia as letras mas não as juntava.
O meu avô foi a prova que foi para os netos uma doçura que nunca foi para os filhos. Foi um pai duro, de pulso firme mas um avô doce.  
Lembro-me de ele comprar - para os cinco netos - uma égua preta que só nos deixava montar com os nossos pais presentes. Havia também a charrete onde chegámos a andar todos. Lembro-me das tardes do dia de Natal e de Páscoa que passávamos em casa dele. Havia sempre bolachas baunilha, que abríamos e lambíamos o creme. Tentávamos abrir as bolachas sem lhe partir nenhum bocado. Lembro-me dele tentar aliciar-me a beber um copo de vinho, era ainda eu uma criança, só para testar se eu viria a gostar. Lembro-me das desfolhadas e da tangerinas que me pedia para colher do quintal. lembro-me de ir com ele apanhar enguias.
Os dois últimos anos foram de sofrimento. Ainda conheceu o meu marido quando era ainda meu namorado, e apesar de estar numa cama de hospital, deixou-lhe um sério aviso: se viesse por bem, seria bem-vindo. Viesse com más intenções e nunca mais deveria voltar.

Tenho saudades dele. Muitas. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)