Avançar para o conteúdo principal

debates filosóficos lá de casa

Estivemos a debater porque é que cada um de nós começou a amar o outro? se há motivos em específico para isso, ou aconteceu e não se consegue explicar. Eu lancei argumentos como a sua personalidade; ele argumentou e fundamentou a sua opinião com contra-exemplos aos que fui dando. 
Demos por encerrado o debate com a  frase já conhecida: não se escolhe quem se ama. Ama-se e pronto :)

Comentários

  1. A minha perpetiva é que acontece porque sim... mas mantém-se porque há motivos para isso. O início tem uma boa dose de acaso, mas o que faz a diferença entre um caso e o amor da nossa vida - é muito mais do que acaso.
    Sei porque continuo a amar o meu marido, mesmo que não saiba porque me apaixonei - e aliás, parecesse ser a pessoa menos adequada para mim à face da terra. Faz sentido?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, eu!

      Antes de mais deixa-me dar-te os parabéns , porque sei que fizeste anos. Tudo de bom.

      Depois de ler o teu comentário verifiquei que me tinha expressado mal no meu texto. è exactamente essa a questão: porque começamos a amar essa pessoa e não outra? porquê aquela quase improbilidade acontecer e não começarmos a amar alguém mais provável?

      Com o teu comentário, levantaste as mesmas questões que ontem tínhamos levantado.

      Bjs

      Eliminar
    2. Obrigada pelos parabéns ;) Beijinhos

      Eliminar
    3. eu, não tens de agradecer! Espero que a seja um ano cheio de coisas boas e muitas felicidades. :)

      Bjs

      Eliminar
  2. Eu também não saberia dizer ao certo...acho que é algo químico que acontece e não precisa, necessariamente, de uma explicação. Muitas vezes, chegamos à conclusão que a outra pessoa é exactamente o nosso oposto e que tem particularidades que nós até nem gostamos nos outros.

    ResponderEliminar
  3. Há coisas que simplesmente não se explicam... Há a química e pronto!!!!
    :D

    ResponderEliminar
  4. Há sempre algo que conscientemente ou inconscientemente nos atrai em determinada pessoa. Depois vem o resto, o possível amor que não se explica, só se sente.

    ResponderEliminar
  5. Há pontos que nos ligam mas a faísca é a mais importante!

    Um beijo sorridente :)

    ResponderEliminar
  6. E ponto final. Não há explicação, não há "modelos". Há amor, há química.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …