Avançar para o conteúdo principal

na vida real e nas redes sociais* - o que não gosto

  • Não gosto de achincalhamento público - quando alguém tem algo a dizer, deve chamar a  pessoa à parte e mostrar-lhe que procedeu mal; nunca fui adepta da humilhação mas a pública é a que mais marcas deixa;
  • Não gosto que as pessoas apliquem alcunhas, mesmo quando já vêm de algumas geração atrás. Detesto que as criem para quem acaba de chegar a uma organização;
  • Não gosto que manobrem os mais fracos para atingir os fins;
  • Não gosto de tratamentos diferenciados  só porque uns são licenciados, outros têm o ensino secundário e outros são analfabetos. Nascemos todos da mesma forma;
  • Não gosto que façam pouco da ignorância dos outros;
  • não gosto do uso dos pronomes demonstrativos para identificar os outros, algo do tipo: esta sabe, aquele faz, esse daí. As pessoas têm nome e é assim que deveriam ser tratadas;
  • Não gosto dos que criticam a diferença só porque parece bem dizer mal.
Há muitas coisas mais que não gosto nesta sociedade cada vez mais virada para a individualidade e para o apedrejamento público. Pelo que vou vendo, cada vez vou estando mais sozinha nos valores em que acredito. Mas não me deixo vergar. Não, enquanto estiver lúcida do que é certo.

[texto em contrução; acrescento coisas à medida que me vou lembrando]

* vamos assumir que o que se diz nas redes sociais é também vida real, mas vivida de outro modo.

Comentários

  1. E fazes tu muito bem! Mas acredito que não estejas tão sozinha quanto pensas...o grande problema é termos muita gente com vergonha de admitir as coisas...!

    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Kuma,

      Se não estou sozinha, devo fazer parte de uma minoria. O problema é as pessoas juntarem-se aos maus - ao que têm actos destes - e serem piores que eles.

      Beijinho e bom fim-de-semana

      Eliminar
  2. Engraçado, também não gosto nada dessas coisas e outras tantas :)
    Julgava-me diferente, num "mundo" que não era meu :)

    Beijinho Alice

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria,


      Não és diferente, nem estás num mundo que não é teu. O problema são os outros tomarem atitudes para usufruirem a título individual, sem olha a meios, espezinhando os outros. Usam os fracos para se tornarem fortes. Isto é pobreza de espírito.

      Beijinho e bom fim-de-semana

      Eliminar
  3. Não estás sós, eu cada vez mais me desiludo com o rumo que esta sociedade está a tomar. Acho que em vez de evoluirmos regredimos cada vez em termos morais.

    Kisses
    Sofia G

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia,

      Acho que agora vale tudo. Já não existem as barreiras morais. Passou a valer tudo, porque é moda, e de moda passou a hábito comum.

      O achincalhamento público, o bulling cibernético é uma coisa que dá prazer às pessoas. Faz-me confusão as pessoas não pensarem se não haverá nada por trás de um determinado comportamento, que tenha levado a pessoa a ter determinada atitude. Porquê aniquila-la, incitar outros a fazê-lo até à exaustão?


      Beijinho e bom fim-de-semana

      Eliminar
  4. Concordo plenamente, a sociedade tem evoluído de forma quadrada, ou seja, à medida que o tempo avança parece que voltámos para o tempo dos nossos antepassados.
    Espero que nós, pessoas com mentes diferentes, consigamos mudar esta mentalidade, afinal todos nascemos do mesmo modo, e acabamos por nos tornar em pó da terra, e isso são as únicas certezas do mundo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Daniela

      Sê bem-vinda. Eu acho que nem voltámos ao tempo dos nossos antepassados. Parece que vivemos numa realidade paralela. Os nosso antepassados, por norma, tinham algumas regras; agora parecem nem existir regras. Parece que a maioria das pessoas está a jogar ao "o rei manda", mas agora com um âmbito mais alargado. se antes as coisas se davam de modo presencial, com as novas tecnologias, parece mais fácil conquistar o mundo. parece que os maus das BD de super-heróis estão a passar do papel para a realidade, com super-poderes e a vencer os bons.

      Acho que não interessa a muitos como se nasce e como se morre o que lhes interessa é viver sempre com a adrenalina no máximo.

      Obrigada pelo teu comentário

      Beijinho e Bom fim-de-semana

      Eliminar
  5. Estou de braço dado contigo nesta luta!
    Não se verga!


    Beijo bom xxxx

    ResponderEliminar
  6. Partilho dos teus não gostos. E faço questão de os ensinar lá por casa.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …