Avançar para o conteúdo principal

arrastão

O desânimo está tão presente nas caras e nas acções das pessoas que, por muito que queira ser força de bloqueio, não estou a conseguir.
Sinto-me a ser engolida por um mau estar geral que parece estar presente à minha volta; por isso me tenho sentido cansada, desanimada e um pouco desorientada. Luto para não voltar para esse buraco negro. Reavivo sonhos. Remexo em projectos. Alinhavo estratégias.
Não queria baixar os braços, mas estou a ficar cansada de os manter erguidos para remar contra a maré. hoje voltei a ter uma crise de ansiedade e senti-me sufocar perante a impotência na resolução de um problema.

Não haverá soluções para sairmos desta depressão colectiva para a qual estamos a ser arrastados?



Felizmente não tenho tempo para ver notícias, se não já tinha colapsado certamente, pelo que vou ouvindo dizer.

Comentários

  1. deixar-se levar pela corrente é fácil, o que nos distingue é a nossa força para contrariar todas as adversidades, por isso somos especiais!!! Beijinhos e bom fim de semana, eu por cá tb te ajudo a lutar!!!

    ResponderEliminar
  2. Alice,
    Tive de mudar o endereço e o nome do blog mas nunca seria por ninguém na blogosfera. Muitas pessoas que me conhecem sabiam o caminho para as Folhas Perdidas e isso posso trazer algumas complicações, mas como é óbvio tu serás sempre bem vinda ok! Até já tinha colocado o teu blog na minha lista de "vizinhos" :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. A solução é resitsir e continuar a espalhar força junto daqueles que não a vão tendo. Pelo menos temos a certeza que tentamos.

    E precisamente porque já estava a começar a entrar nessa depressão colectiva é que já não vejo noticiários na televisão e notícias de jornais só leio os títulos de fugida (para não ficar completamente alheada de tudo). Escolho viver um dia de cada vez, da melhor maneira que consigo.

    Um beijo e um bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  4. Minha querida,
    A solução que eu uso no meu dia a dia é sorrir para as pequenas mas boas coisas que a vida me dá... tudo o resto são extras, e os extras menos bons deixo-os fora de casa, não os quero de forma alguma!
    Espero ter ajudado!

    Um beijo doce xxxx

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]