Avançar para o conteúdo principal

Não tarda, temos de tratar do testamento...

Nenhum de nós tem  40 anos. É verdade que não temos filhos e sabe Deus se algum dia os teremos.
Mas há quem já dê por certo que vamos ficar para tios - sem sequer terem ideia do que se passa da nossa vida. E com esta certeza toda, parecem já estar de olho no que poderemos deixar de herança. Como se fossemos ricos pelo facto de trabalharmos muito. [diz o ditado popular que o dinheiro não é de quem o ganha, é de quem o poupa].
Remetem-nos comentários directos sobre o que e a quem poderemos deixar.
Felizmente este tipo de comentários vêm sempre do mesmo lado. Ainda bem que não provêm da boca do meu irmão. Entristecer-me-iam ainda mais do que o que já me sinto.

Estas coisas a juntar a outras que me andam a bailar no pensamento, não me têm dado grandes motivos para alegrias. Nem a mim nem a ele.

Não tarda perguntam-nos quando morremos. Há pessoas para quem meia dúzia de tostões são motivo de  interesse. Imagine-se se fossemos ricos.

Comentários

  1. :)
    Eu também não tenho filhos, mas digo sempre: "quem me lavar o rabinho na velhice é que fica com tudo o que é meu"

    Beijinho Alice, e não ligues :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria

      isto repetido tanta vez, e vindo de uma pessoa que se juntou à família há um ano ou algo assim, começa a deixar-nos revoltados. Que eu saiba, não estamos nem velhos nem às portas da morte. Que raio de conversa é esta?

      Eu nem consigo ainda pensar como tu, nisso da velhice,porque ainda não perdi a esperança de ter um filho. mas agora estarem sempre com a mesma conversa...

      Beijinho Maria

      Eliminar
  2. Para mim pensar em testamento é pensar em desistir, é morrer por dentro.
    Quem te amar não guerreia pelas tuas/vossas coisas.
    Vive a vida apenas o resto levará o seu curso como terá de ser :)

    Um beijinho doce xxxx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulinha,

      É uma conversa tão despropositada e mantida tanta vez sem que, sequer a puxemos que se está a tornar revoltante e incómoda.

      Disse falar em testamento, porque a dita pessoa- a que insiste mais em falar de herança, mas não é a única- está muito preocupada em saber a quem vamos deixar a nossa casa, as nossas coisas.

      Assunto parvo, diga-se.

      Beijinho Paulinha

      Eliminar
  3. Quero lá saber para quem ficam as coisas quando eu morrer. Quero é goza-las ao máximo enquanto andar por cá. E já tenho 40 anos e tenho duas filhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mariposa,

      Também tenho mais para me preocupar do que com isso. Falei nos quarenta nos para indicar que ainda devo estar dentro da validade de ter filhos, apesar de ainda não o ter conseguido. Tenho a noção que as minhas hipóteses - a aproximarem-se os quarenta- começam a ser mais remotas.

      Agora estarem a dizer-me certas coisas como se fossemos uns velhos ricos com os pés voltados para a cova. Nunca pensei que houvesse tanto interesse por tão pouco,

      Enfim...

      Dá graças todos os dias por teres duas filhas; creio que não deve haver riqueza maior que essa.

      Beijinho

      Eliminar
  4. Não há palavras para a mesquinhez de algumas pessoas.

    Eu sei que é fácil dar conselhos, mas tenta não te deixar abalar por essas opiniões, por esses comentários. O tempo dirá o que vai acontecer. E, quem sabe, até pode ser que eles fiquem a "chuchar no dedo" (Deus queira que sim ;)).

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. carla,

      Podes crer, Não sei o que ganha a pessoa - a que fala mais frequentemente nisto- em estar sempre a puxar o assunto. Parece estar sempre com inveja. Como se tivesse razão para o ser. Ele é que - alegadamente- parece ser endinheirado. pelo menos, gaba-se disso.

      As pessoas podiam ser mais subtis. Ficava-lhes melhor.

      Confesso que de tanto interesse este assunto tem tido para algumas pessoas, me sinto perturbada.

      Era bom que ficassem a "chuchar" no dedo. E se não for por ter conseguido ter um "herdeiro", que seja porque nós desejamos que haja pessoas que não saibam sequer o que é uma herança.

      Há gente muito doida, é o que é . Isto contado talvez pareça mentira, mas isto é a mais pura das verdades.

      Beijinho e obrigada

      Eliminar
  5. Só me imagino a encarar essa situação com sarcasmo, porque doutra forma é mesmo para partir para a estupidez, com pessoas dessas, que pensam em tudo menos no que importa realmente.
    Gosto da forma como escreves. Vou passar mais vezes por aqui. Bjos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …