Avançar para o conteúdo principal

a beleza do antigo

O meu gosto pelas coisas antigas vem de muito longe, talvez porque cedo aprendi a apreciar pequenas coisas que crianças da minha idade pouco se interessavam. As peças de Limoges ou da Vista Alegre, os cristais e vidros da Marinha Grande, a filigrana do Minho, os bordados da Madeira.
Ainda hoje me encantam jogos de loiça antigos, ou peças de enxoval que já foram das avós. Tenho as fronhas do jogo da noite de núpcias da minha avó materna e guarda-as como uma grande relíquia
Gosto de feiras de velharias, e se encontrar uma num passeio gosto de esmiuçar as bancas à procura de coisas giras. Há coisas a que me custa resistir, mas não vou acumular tralha cá em casa que não valha a pena. 
Gosto de peças, tecidos e casas vintage. Há muito tempo. Não é porque agora é moda gostar, porque desde que me conheço que gosto. 
Por isso, e porque ando a planear um fim-de-semana fora da rotina habitual, como já disse aqui, ando cheia de dúvidas.
Embora Coimbra ainda não esteja totalmente de parte, estou a pender a minha escolha para a Curia. para espaços vintage, nos quais tenho medo de apostar por ler alguns comentários de quem frequentou. Embora aprecie bastante o estilo, tal como disse hoje não pode faltar nada ao conforto  (e a uma boa mesa, já agora)!
Ficam algumas das opções que andam a ser estudadas:





Difícil é escolher e nem todos os preços são simpáticos. Hotéis de arquitectura antiga podem ser um risco. Mas ando tentada a corrê-lo.

Comentários

  1. Acho óptimos. A escolha vai ser difícil. :s

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uba,

      Já está feita. vamos ver como corre.

      Beijinho

      Eliminar
  2. Parece-me muuito bem. Curia é optimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tanita,

      Vamos ver como corre a experiência. Preciso sossegar a alma.

      Beijinho

      Eliminar
  3. Não conheço nenhum mas, pelos links ia talvez para a Vila Duparchy... não sei, chama-lhe palpite :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulinha,

      Também tive muito inclinada para aí, mas o marido acabou por decidir. Vamos ver como corre.


      Beijinho

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]