Avançar para o conteúdo principal

as notícias que me tocam

Agosto permite vir mais cedo do trabalho. Permite ver aberturas de telejornais das oito. 
Agosto permite ver o país a arder. Permite ver a exaustão dos bombeiros. Permite ver a chama a consumir floresta e a ceifar vidas.
Agosto é o mês que mais me custa, pela violência e frequência dos incêndios. Porque mais que a solidão que tome conta desta casa, está a preocupação sempre presente. Mais do que noutras alturas. 

Hoje, ao ver a notícia de mais um bombeiro que foi surpreendido mortalmente pelas chamas, deixei que as lágrimas corressem pela cara. Numa serra que ele conhece bem, que talvez o tenha feito ser bombeiro. Deus - ou qualquer que seja a força que nos rege- permita que não aconteça mais. Que eu nunca tenha que ouvir aquilo que a família daquela bombeira hoje terá ouvido. 
Endoidecerei certamente. 

Comentários

  1. Vai correr bem Alice...tenho a certeza...! Parabéns para o homem corajoso que tens em casa!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria,

      Eu não vivo com essas certezas. Sou das que penso que o mal não acontece só aos outros. Temo por ele, pelas pessoas que estão sob alçada dele. Sei que ama de coração ser bombeiro. Aceito que seja, e vou vivendo com este medo. Mas como ele diz: é a vida!

      beijinho e obrigada

      Eliminar
  2. Não me sais do pensamento minha querida.
    Eu fico doente com as notícias. Prefiro não saber pormenores porque me altera a alma. Fraqueza minha.
    Na minha cabeça tenho a pergunta "Porquê, porquê...?"
    É duro demais.
    Não sei que palavras doces te hei-de deixar...
    Faço força contigo para que nunca aconteça nada. Nunca!
    Que Deus te traga sempre o teu amor de volta.
    Um beijo, amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dear Daisy,

      Obrigada pelas tuas palavras.

      Alguém tem de fazer frente ao fogo. Quem vive com um bombeiro já sabe o que a casa gasta, infelizmente.

      Espera que nunca aconteça nada aos que lutam contra este flagelo.


      Beijinho e bom fim-de-semana

      Eliminar
  3. Dói saber que bombeiros perdem as vidas deles para salvar as nossas. Força para ti e para o teu amor! Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Que Deus proteja estes lutadores é o meu desejo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…