Avançar para o conteúdo principal

Rato do campo, rato da cidade (*)

Não sou rapariga para fazer campismo ou andar por aí a correr mundo numa auto-caravana. Não vou negar que prezo muito o conforto de uma boa cama. Momentos fora da rotina e ao ar livre só mesmo pic-nics e com algumas restrições. Confesso que a idade também me trouxe alguma repugnância por uns quantos animais. Quando somos crianças nada nos mete medo, só o escuro. Só de imaginar osgas e semelhantes por perto fico com um certo nervoso miudinho. Que pavor!
Acho que sendo moça da província, começo a ter alguns traços vincados de citadina. Desengane-se contudo, quem julga que eu já não sei que as batatas crescem na terra e não nas árvores.
 Não nego as minhas raízes. Não acho que ser da província seja algo a menosprezar. Felizmente, apesar da modernidade chegar primeiro às cidades, existem coisas que elas nunca terão. E dessas, há muitas que aprecio e reconheço que não haverá modernidade nenhuma que as compense.


(*) Livro Infantil de Alice Vieira, que fará sempre parte das minhas memórias de infância

Comentários

  1. Eu adoro o ar livre... a natureza... o campismo... não gosto de cidades!

    That's me :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulinha,

      Também gosto muito do campo. Eu vivo no campo. Mas tenho um pavor a osgas e cobras que, só de pensar, arrepio-me toda.

      Beijinho

      Eliminar
  2. Bom Dia

    Penso que está um pouco enganada quanto a questão da autocaravana uma vez que as suas camas são excelentes. Devia considerar uma pequena volta (sou uma autocaravanista, nota-se não???). A AC é uma casa em ponto pequeno, pode ser a sua casa.
    Beijos
    Liliana Marques

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Liliana,

      bem-vinda!:)

      Ainda bem que a pluralidade de gostos existe. Possivelmente, estarei mesmo enganada.Se calhar estou a pôr o caravanismo no mesmo patamar do campismo e estou a cometer um erro.

      Quem sabe um dia destes não vou experimentar? Isto pode ser mesmo uma espécie de preconceito tolo.
      Obrigada pelo seu comentário que também veio desmistificar um pouco a ideia do caravanismo.


      Beijinho

      Eliminar
  3. O texto está muito engraçado. Mas eu, mulher do campo, que vive na zona sub urbana de Lisboa, adoro tudo o que seja ao ar livre e adorava correr mundo numa autocaravana!

    ResponderEliminar
  4. Eu também sou da província e adoro. É certo que tenho medo e repugnância por alguns bicharocos, mas na cidade não há muitas das maravilhas que temos por aqui. Quanto ao campismo, no fim de semana que vem, eu, amigos e filharada vamos fazer o nosso campismo anual que é sempre o momento alto da Summer Season. Os miúdos, que já são grandes e já não querem andar com os pais, não perdem este evento por nada deste mundo, quem diria? É super divertido, mas 1 fim de semana por ano, para mim chega, a questão da logística é bastante complicada. Depois conto. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Eu adorava ter uma autocaravana. Acho o máximo! E olha que tb adoro conforto! Há autocaravanas que custam tanto como uma casa! ;)
    Sou da aldeia e adorei a minha infância. Neste momento moro em cidade e tenha pena por não poder dar uma infância igual à minha, ao meu pequenino. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …